Europa estuda passo importante para união fiscal

Quando Jean-Claude Trichet pediu em junho passado a criação de um ministério de finanças europeu com poder sobre orçamentos nacionais, a ideia pareceu irreal, um sonho distante que levaria anos ou mesmo décadas para se realizar, se um dia se realizasse.

NOAH BARKIN E DANIEL FLYNN, REUTERS

03 de junho de 2012 | 12h47

Um ano depois, com a crise da dívida da zona do euro ameaçando dividir o bloco, a Alemanha está pressionando seus parceiros por exatamente o tipo de passo gigante adiante na integração fiscal que o ex-presidente do Banco Central Europeu tinha em mente.

Depois de ficar aquém das expectativas com seu "compacto fiscal" sobre a disciplina orçamentária, a chanceler alemã, Angela Merkel, está pressionando por medidas muito mais ambiciosas, incluindo uma autoridade central para administrar as finanças da área do euro, e novos e maiores poderes para a Comissão Europeia, o Parlamento europeu e a Corte de Justiça europeia.

Ela também está buscando uma postura europeia coordenada para reformar os mercados de trabalho, os sistemas de segurança social e as políticas tributárias, disseram autoridades alemãs.

Até que os Estados concordem com essas medidas e com a perda inédita de soberania que elas envolvem, as autoridades dizem que Berlim vai se recusar a considerar outras iniciativas como títulos conjuntos da zona do euro ou uma "união bancária" com garantias de depósito transnacionais - medidas que segundo Berlim poderiam ser feitas apenas em uma segunda etapa.

O objetivo é que os líderes da UE concordem em desenvolver um mapa do caminho para a "união fiscal" em uma cúpula da UE que acontece entre 28 e 29 de junho, quando autoridades europeias do primeiro escalão, incluindo o presidente do Conselho europeu, Herman Van Rompuy, apresentarão um leque de propostas iniciais.

Tudo o que sabemos sobre:
EUROPAFISCAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.