Europa estuda proibir uso de informação falsa na internet

Alguns países europeus estão propondo declarar ilegal o uso de dados falsos na hora de abrir contas de e-mail e registrar websites, uma decisão que poderá ajudar em investigações de pedofilia e terrorismo, mas que poderá encontrar resistência entre os defensores do direito à privacidade. os governos holandês e alemão tomam a dianteira na defesa da proposta, elaborando leis que tornarão ilegal o fornecimento de dados falsos a provedores de internet, e obrigarão as empresas telefônicas a guardar registros detalhados sobre o comportamento dos consumidores. O objetivo seria facilitar o acesso das autoridades à informação, durante a investigação de crimes ou atos terroristas. Mas os europeus valorizam a privacidade, e já se manifestaram contra outras medidas que levariam à estocagem de dados pessoais para fins comerciais ou fiscalização do governo. "Os povos da Europa têm uma longa história de luta pela liberdade pessoal, e é improvável que aceitem essas regulamentações", disse o consultor de tecnologia Graham Cluley, do grupo inglês Sophos. "Ninguém discorda que é preciso combater o terrorismo e o crime organizado de modo decisivo, mas introduzir uma vigilância restritiva sobre o público em geral e as empresas de internet, sem as salvaguardas adequadas, parece orwelliano", afirmou ele.

Agencia Estado,

24 Fevereiro 2007 | 17h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.