Europeus têm leis brandas

Na América Latina, apenas Cuba e, desde o fim do ano passado, o Uruguai têm leis de descriminalização do aborto nos primeiros meses de gravidez. No Canadá e nos EUA, a interrupção voluntária da gravidez é garantida desde a década de 70. Na Europa, França, Alemanha e Holanda lideraram o surgimento de leis brandas e a maioria dos países permite o aborto até o terceiro mês. Na Suécia, é permitido até a 18.ª semana, ou 22 semanas em caso de "razões fortes". Já na Irlanda a permissão só ocorre em caso de ameaça grave à saúde da mulher, o que inclui risco de suicídio. Na China, onde a interrupção da gravidez é incentivada para controle populacional, há estimativas de que ocorram 13 milhões de abortos por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.