Ex-ditador da Guatemala será processado por massacre

Uma juíza da Guatemala decidiu que o ex-ditador Efraín Ríos Montt poderá ser novamente julgado por ordenar um massacre que deixou 201 mortos em 1982.

REUTERS

22 Maio 2012 | 09h41

Ríos Montt, de 85 anos, governou a Guatemala durante um período particularmente sangrento em 1982 e 1983, e já enfrenta outras acusações de genocídio e crimes contra a humanidade.

A magistrada Patrícia Flores disse, na segunda-feira, haver indícios suficientes vinculando Ríos Montt ao massacre de Las Dos Erres, uma das piores chacinas em 36 anos de guerra civil na Guatemala.

Na ocasião, cerca de 20 soldados que haviam recebido ordens para procurar armas na aldeia vendaram, estrangularam, alvejaram e surraram moradores, e um recém-nascido foi morto a marretadas. Os corpos foram jogados em um poço.

A defesa argumentou que Ríos Montt não estava presente no massacre, e por isso não pode ser acusado. A juíza entendeu, no entanto, que os soldados não agem se não receberem ordens.

A Guatemala vem tentando passar a limpo as atrocidades da guerra civil (1960-1996), na qual quase 250 mil pessoas morreram ou desapareceram.

Em agosto, a Justiça condenou cinco ex-soldados a 6.060 anos de prisão cada por envolvimento no massacre de Las Dos Erres. O período máximo de detenção na Guatemala é de 50 anos.

Ríos Montt começou a ser julgado neste ano por outras acusações de genocídio, mas o processo está à espera do resultado de recursos impetrados pela defesa. Nesse caso, o ex-ditador é acusado de ordenar a morte de pelo menos 1.700 indígenas maias durante a repressão a insurgentes esquerdistas.

(Reportagem de Mike McDonald)

Mais conteúdo sobre:
GUATEMALAEXDITADORJULGAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.