Ex-empresária Vilma Martins é denunciada pela filha

Ela é condenada pelo registro falso e uso de documento falso de duas crianças que foram sequestradas

Silvana Bittencourt, especial para O Estado de S. Paulo,

06 de fevereiro de 2009 | 18h04

A ex-empresária goiana Vilma Martins Costa, 53 anos, condenada pelo sequestro de dois bebês, será novamente investigada pela polícia, desta vez pela apropriação indébita de móveis, máquinas e dinheiro de uma de suas filhas, a comerciante Carla Beatriz Martins Silva, 38 anos. O delegado Paulo Roberto Tavares de Brito, do 7º Distrito Policial de Goiânia, instaurou inquérito policial na quinta-feira, para investigar a denúncia feita pela filha.  Segundo ocorrência policial de 21 de janeiro, Carla Beatriz acusa Vilma de ter se apropriado de móveis de sua casa e de máquinas de marcenaria, deixados com a mãe há oito anos, quando a comerciante se mudou para o exterior. Deportada para o Brasil em agosto do ano passado, Carla teria tentado sem sucesso recuperar seus bens. Ela acusa a mãe também de se recusar a pagar dívida de R$ 9,5 mil, contraída com o empréstimo de dois cheques. Os cheques teriam sido entregues a Vilma após a promessa de pagamento em novembro de 2008, o que não foi cumprido.  O delegado Paulo Roberto deve ouvir Carla Beatriz e Vilma Martins na próxima semana. Ele acredita que não deve haver pena mesmo no caso de comprovado o crime, em função do grau de parentesco entre as duas. "Trata-se de um crime contra o patrimônio entre ascendente e descendente, por isso acredito que deverá haver isenção de punibilidade". Nesse caso, Vilma não perderia o benefício da progressão de pena, concedido em junho do ano passado, depois de cinco anos e três meses na prisão. A ex-empresária foi condenada a 15 anos e 9 meses, por registro falso e uso de documento falso de Pedro Rosalino Braule Pinto e Aparecida Fernando Ribeiro da Silva, sequestrados logo depois de nascer. Após cumprir um terço da pena e apresentar bom comportamento na cadeia, Vilma conseguiu a liberdade condicional.

Tudo o que sabemos sobre:
denúnciaVilma MartinsfilhaPedrinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.