Ex-fazenda nazista é parcialmente demolida em SP

A Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo registrou boletim de ocorrência após constatar a destruição parcial da antiga Fazenda Cruzeiro do Sul, no município de Paranapanema, sudoeste do Estado de São Paulo. No local funcionou uma colônia nazista na década de 1930.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

15 de agosto de 2012 | 10h17

Os técnicos da Unidade de Preservação do Patrimônio Histórico constataram o fato no dia 9, durante uma vistoria. O conjunto da fazenda encontra-se em estudo de tombamento pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat) e não poderia ter sofrido nenhuma intervenção. Em abril deste ano, reportagem do Estado havia alertado para a intenção dos adquirentes da propriedade de demolir as instalações.

Após a publicação, o Condephaat notificou os proprietários sobre o processo de tombamento, mas a determinação para preservar o local não foi cumprida. Conforme relata o boletim de ocorrência, um antigo armazém foi totalmente destruído, enquanto um edifício identificado como curral teve a estrutura do telhado e as paredes demolidas.

Há indícios de que não foi uma destruição causada por chuva ou vento, mas provocada por ação humana. Ainda segundo o registro, os tijolos que exibem a inscrição da suástica nazista foram encontrados partidos ao meio, alguns deles alinhados em pilha, de modo organizado, enquanto outros, com inscrições diversas, estavam íntegros.

A Polícia Civil vai investigar quem fez ou autorizou a demolição. Os proprietários, que compraram a fazenda no início do ano para plantar cana, serão ouvidos. Eles não foram encontrados ontem pela reportagem. O caso também será encaminhado à Procuradoria-Geral do Estado para providências judiciais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Mais conteúdo sobre:
FazendanazismodemoliçãoSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.