Ex-guarda de prisão reclama de perseguição por 'ser sexy'

Amitjo Kajla, de 27 anos, diz que sofreu assédio moral por colegas e foi forçada a pedir demissão.

BBC Brasil, BBC

16 Julho 2009 | 09h45

Uma ex-funcionária de uma prisão na Grã-Bretanha está processando seus antigos empregadores alegando ter se sentido forçada a pedir demissão após ter sofrido perseguição dos colegas por causa de sua beleza.

Amitjo Kajla, de 27 anos, afirma ter sido vítima de perseguição e assédio moral na prisão de Brindsford, em Wolverhampton, dedicada a jovens criminosos, pela maneira como se comportava e se vestia.

Mas nas primeiras audiências, vários de seus ex-colegas questionaram seu comportamento com os prisioneiros e deram a entender que ela se recusou a adotar sugestões sobre como se apresentar diante deles.

Eles alegam ter ouvido um prisioneiro dizer a ela: "A senhorita é muito sexy".

Os ex-colegas também afirmaram que muitos dos prisioneiros sabiam onde Kajla morava.

"Eu ouvi dizer que vários deles conheciam o endereço pessoal dela", afirmou Lee Hastings, funcionário da prisão.

Uniforme justo

Outra colega, Philippa Maddox, disse que Kajla não seguia as recomendações de manter o cabelo e a maquiagem discretos, e que usava um "uniforme justo".

"Ela sempre ia conversar com os rapazes. Ela não colocava limites nem se impunha perante os prisioneiros", afirmou.

Michael Doolan, supervisor na prisão, disse ao tribunal que certa vez ouviu um prisioneiro dizer a Kajla que gostaria de levá-la para sua cela, ao que ela não respondeu.

A ex-funcionária, no entanto, alega ter sido repreendida várias vezes em frente a seus colegas.

Seu advogado, Stephen Roberts, acusou um deles de ter gritado agressivamente com ela em um incidente em que ela havia simplesmente cumprido uma ordem.

Roberts afirmou ainda que o colega teria ficado irritado quando Kajla fez uma reclamação formal de assédio moral contra ele.

O caso continua sendo julgado na cidade de Birmingham. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.