Ex-porta-voz diz que Bush deu dados falsos em caso de vazamento

Ex-assessor de presidente dos EUA publica livro com detalhes do caso.

BBC Brasil, BBC

21 de novembro de 2007 | 10h10

O ex-secretário de imprensa e porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan, afirmou que o presidente americano George W. Bush teve envolvimento no caso em que informações falsas divulgadas ao público a respeito do vazamento da identidade de uma agente da CIA.Em um trecho de seu novo livro, McClellan afirmou que Bush ajudou a enganar o público no episódio, que também envolveu dois importantes assessores da Casa Branca.A agente da CIA Valerie Plame afirmou que sua identidade foi revelada pelo fato de seu marido, um diplomata, ser contra a guerra no Iraque.O livro de McClellan, What Happened ("O Que Aconteceu", em tradução livre) deve ser publicado apenas em abril de 2008, mas um trecho já foi divulgado nos Estados Unidos.O trecho se refere a uma entrevista coletiva que McClellan participou em 2003 e, naquela ocasião, disse aos jornalistas que os dois assessores Karl Rove e Lewis "Scooter" Libby "não estavam envolvidos" no vazamento da identidade de Plame."Havia só um problema. Não era verdade", afirma McClellan no trecho divulgado."Divulguei, sem saber, informações falsas. E cinco das mais importantes autoridades do governo estavam envolvidas: Rove, Libby, o vice-presidente (Dick Cheney), o chefe de gabinete do presidente e o próprio presidente."A atual secretária de imprensa da Casa Branca, Dana Perino, disse que o significado do trecho não está claro e acrescentou que o presidente americano não pediria a ninguém que divulgasse informações falsas."O presidente não pediu e não pediria para seu porta-voz passar para frente informações falsas", disse.McClellan foi o secretário de imprensa entre 2003 e 2006. Ele não fez nenhum outro comentário a respeito do trecho divulgado.Libby, ex-chefe de gabinete do vice-presidente americano Dick Cheney, foi o único a ser condenado depois do incidente do vazamento da identidade da agente da CIA. Ele foi sentenciado a 30 meses de prisão por obstruir o inquérito que investigava o vazamento.Mas o presidente Bush interveio em julho para evitar que Libby fosse para a prisão.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.