Ex-premiê deposto em golpe volta à Tailândia

Thaksin Shinawatra foi detido ao chegar ao aeroporto, mas depois liberado sob fiança.

Da BBC Brasil, BBC

28 Fevereiro 2008 | 03h05

O ex-primeiro-ministro da Tailândia Thaksin Shinawatra, deposto por um golpe militar em setembro de 2006, voltou nesta quinta-feira ao país depois de passar 17 meses no exílio.Shinawatra, um empresário bilionário de 58 anos, foi detido por policiais ao chegar ao aeroporto de Bangcoc. Ele foi levado sob custódia à Suprema Corte e, logo depois, liberado sob fiança.Shinawatra não poderá deixar o país sem a permissão da Corte.Centenas de apoiadores do ex-primeiro-ministro, muitos carregando flores e bandeiras, aguardavam sua chegada no aeroporto. Também estavam presentes nomes importantes do atual governo tailandês.Durante o vôo que o levou de Hong Kong à capital tailandesa, Shinawatra conversou com o repórter da BBC Andrew Harding.O ex-premiê afirmou que irá vencer o que classificou de "acusações de corrupção motivadas por razões políticas". As acusações de abuso de poder se referem aos cinco anos em que ele esteve à frente do governo.Shinawatra disse também que não pretende buscar vingança contra os autores do golpe militar que o expulsou do governo.O ex-primeiro-ministro disse ainda que sua carreira política está encerrada e que pretende se concentrar em seus interesses ligados ao futebol. O bilionário tailandês é dono do time britânico Manchester City.Após o golpe de 2006, o partido de Shinawatra, o Thai Rak Thai, foi banido, e o ex-premiê foi proibido de retornar à política por um período de cinco anos.No entanto, seus adversários temem que ele tenha voltado à Tailândia com o objetivo de influenciar os rumos da política nos bastidores.Muitos dos partidários de Shinawatra formaram o Partido do Poder do Povo (PPP), que venceu as eleições de dezembro passado.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
thaksin shinawatratailândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.