Reuters
Reuters

Ex-premiê sírio condena Assad em primeira aparição pública

Riad Hijab se referiu ao governo do presidente da Síria como um 'inimigo de Deus'

Reuters

14 de agosto de 2012 | 07h33

Texto atualizado às 11h05

AMÃ - O ex-primeiro-ministro sírio Riad Hijab se referiu ao governo do presidente da Síria, Bashar al-Assad, como um "inimigo de Deus", em sua primeira aparição pública desde que desertou na semana passada, nesta terça-feira, 14.

Veja também:

linkNúmero de refugiados sírios na Turquia beira 60 mil, diz governo

linkAvião de caça sírio cai no leste do país

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Ele disse em entrevista coletiva em Amã, na Jordânia, que desertou e se juntou à revolta de 17 meses contra Assad por vontade própria e que não foi demitido, como disseram autoridades sírias.

Hijab é a figura política de mais alto escalão a deixar o regime de Assad. Ele disse sentir "uma dor na alma" em razão dos ataques do regime contra redutos rebeldes, na medida em que o governo intensifica sua ofensiva militar. Ativistas dizem que mais de 20 mil pessoas foram mortas desde o início do levante popular, que começou em março de 2011.

"Eu não tinha poder para interromper a injustiça", disse ele, em frente a uma bandeira dos rebeldes. Hijab conclamou os "líderes honrados" da Síria a desertarem. "A Síria está cheia de autoridades e líderes militares honrados que aguardam uma chance para se juntar à revolução", afirmou ele.

"Eu conclamo o Exército a seguir o exemplo dos militares do Egito e da Tunísia: tomem o lado do povo", acrescentou. Hijab disse que agora apoia os rebeldes, mas não falou sobre seus planos. Há rumores de que ele poderia viajar para o Catar, país que é um dos principais apoiadores dos rebeldes sírios. 

Ajuda humanitária

Foi também hoje que a chefe de assuntos humanitários da Organização das Nações Unidas (ONU), Valerie Amos, chegou à Síria para uma visita regional de três dias a fim de discutir a distribuição de ajuda aos civis sírios isolados ou refugiados pelo conflito no país, afirmou um comunicado.

Valerie, que entrou na Síria com um comboio terrestre a partir do Líbano, deve se reunir com autoridades sírias, incluindo o vice-chanceler Faisal Mekdad, assim como representantes do Crescente Vermelho Árabe Sírio, disse o porta-voz Jens Laerke. "Eles cruzaram a fronteira e foram recebidos por autoridades do Ministério das Relações Exteriores", disse à Reuters em Genebra.

Valerie discutirá meios de aumentar a ajuda emergencial aos civis, mas os confrontos devem diminuir antes que haja qualquer esperança real de ter acesso a pontos quentes, disseram diplomatas na segunda-feira.

A situação humanitária na Síria piorou nas últimas semanas, já que os combates se espalharam para Damasco e Aleppo. Dois milhões de pessoas podem ter sido afetadas pela crise e 1,5 milhão de sírios estão deslocados internamente, de acordo com a entidade.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.