Ex-reféns das Farc chegam à Venezuela

Consuelo Gonzalez e Clara Rojas foram libertadas após seis anos com os rebeldes.

Claudia Jardim, BBC

10 de janeiro de 2008 | 18h05

As duas ex-reféns das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) Clara Rojas e Consuelo González de Perdomo, libertadas nesta quinta-feira, chegaram nesta quinta-feira à Venezuela, onde reencontrarão seus familiares após seis anos de cativeiro na selva colombiana. Clara e Consuelo chegaram de helicóptero ao aeroporto da cidade venezuelana de Santo Domingo às 13h40, hora local (16h10 em Brasília) e caminharam abraçadas com a equipe de resgate em direção ao avião que as levará ao aeroporto internacional em Caracas, onde os familiares as aguardam.Foi o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que havia antes confirmado que as duas reféns haviam sido libertadas. "Há dez minutos, recebi uma mensagem direto do ponto em que as Farc deram as coordenadas. Claramente emocionado, o ministro Ramón Rodríguez Chacín me disse que estava naquele momento recebendo Clara e Consuelo das mãos de um comando das Farc", disse. "Saudei a um membro das Farc, saudei a Clara e Consuelo, que estão em boas condições", disse Chávez. FamíliaOs familiares de Clara e Consuelo, que chegaram a Caracas no dia 27 de dezembro, aguardam em um hotel a chegada do avião que transporta as duas colombianas libertadas. Por meio dos jornalistas, a mãe de Clara, Clara González de Rojas, enviou um recado emocionado de boas-vindas à filha de 44 anos, seqüestrada em 2002. "Bem-vinda filha da minha alma, bem-vinda filha do meu coração." As filhas de Consuelo González de Perdomo dizem estar ansiosas por reencontrar a mãe de 57 anos, seqüestrada em dezembro de 2001. "Estamos muito, muito felizes. Espero que esta felicidade chegue a todos os familiares dos seqüestrados da Colômbia (...) Estamos contando os segundos para encontrá-la", disse sorridente Maria Fernanda Perdomo. A outra filha de Consuelo, Patricia Perdomo, disse que continuará trabalhando para libertar aos outros reféns que ainda estão em poder das Farc. "Vamos continuar lutando para que todos os reféns sejam libertados. Esse é só o primeiro passo", disse Patricia Perdomo a jornalistas em Caracas. Retirada militarO ministro colombiano da Defesa, Juan Manuel Santos, disse estar satisfeito com a libertação das reféns e disse que cumprirá ao "pé da letra" a promessa de cessar-fogo na área em que foram libertadas as reféns. "Não haverá nenhum tipo de operação até as seis da tarde", afirmou. Santos disse que o método em que foram libertadas Clara e Consuelo é uma mostra de que não há necessidade de uma retirada militar para que novos reféns sejam colocados em liberdade. A retirada militar é a principal reivindicação das Farc para dar continuidade ao acordo humanitário com o governo, no qual se prevê a libertação de pelo menos 45 seqüestrados em troca de 500 guerrilheiros presos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.