Ex-secretário é condenado em SP a 51 anos por pedofilia

O ex-secretário de Administração de Sorocaba, engenheiro Januário Renna, foi condenado a uma pena de 51 anos e 4 meses de prisão em regime fechado por exploração sexual de menores e adolescentes. A sentença, divulgada hoje pelo Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo, foi dada pelo juiz Hélio Villaça Furukawa, do Fórum Criminal de Itu, no interior do Estado. Porém, o réu poderá recorrer em liberdade.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

14 de dezembro de 2010 | 19h59

Renna, de 64 anos, foi flagrado num motel com três menores de idade - duas de 14 e uma de 15 anos - em agosto de 2009. Ele ficou preso durante quase cinco meses até ser libertado por ordem do TJ. As relações do secretário com outras menores foram investigadas pelo Grupo de Ações Especiais Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, que pediu a condenação do réu a uma pena de 60 anos.

Ele foi sentenciado pelos crimes de favorecimento à prostituição e atentado violento ao pudor praticado contra nove vítimas. O ex-secretário chegou a ser ouvido na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia pelo senador Magno Malta (PR-ES), mas optou por permanecer calado. Renna responde ainda a outro processo por armazenar num computador pessoal imagens de menores fazendo sexo. O advogado do réu informou que entrará com recurso contra a condenação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.