Exercício reduz gasto de paciente com diabete

Pesquisa realizada na Unesp mostra que quem pratica atividades físicas gasta menos com consultas e medicamentos dos que os sedentários

MARIANA LENHARO, JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2012 | 03h02

Os benefícios da atividade física para os pacientes com diabete já são bem conhecidos. Agora, sabe-se também que os exercícios têm impacto positivo no bolso. Estudo da Unesp concluiu que, entre os pacientes sedentários, o gasto com consultas e medicamentos é maior do que os apresentados por quem se exercita.

Para o estudo, foram analisadas informações de 121 pacientes com diabete tipo 2 atendidos em duas unidades de saúde de Bauru (SP). Eles foram classificados em sedentários, moderadamente ativos e ativos.

O custo individual do tratamento foi calculado pela avaliação dos serviços da unidade utilizados. Levou-se em conta medicamentos, exames laboratoriais e número de consultas.

A conclusão foi que os sedentários gastaram 63% mais do que os ativos em consultas com clínico geral. O gasto com remédios específicos para diabete foi 23% superior entre os que não praticavam exercícios. Já o custo com remédios para tratamento de outras doenças mais do que dobrou entre os sedentários: a diferença foi de 128%.

Os pesquisadores apontaram que caso todos os portadores de diabete praticassem exercícios regularmente, haveria uma economia anual de R$ 7 mil reais a cada cem pacientes em gastos relacionados à saúde.

Aliado. O exercício é um dos pilares do tratamento de diabete, segundo o médico Balduíno Tschiedel, presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

"Essa pesquisa veio em boa hora, para mostrar que, mesmo que a pessoa já tenha desenvolvido diabete, ela vai ser beneficiada se assumir uma nova postura em relação aos exercícios", diz.

Ele lembra que, além de retardar a progressão de diabete, a atividade melhora outros indicadores da saúde, como o nível de colesterol e triglicérides, a hipertensão e a obesidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.