Exército compra 20 unidades do Land Rover-Defender

A Land Rover do Brasil entregou este mês 20 modelos Defender 130 - um jipe robusto, com tração nas quatro rodas - ao Exército brasileiro. A frota fazia parte de encomenda feita em 2003. Agora, a montadora, instalada em São Bernardo do Campo, se prepara para vender, este ano, outros 500 jipes ao Exército, que devem se somar aos 400 adquiridos nos últimos três anos para o policiamento de fronteiras. A anunciada encomenda do Exército, ainda não oficializada, ao lado do crescimento das exportações do modelo para a América Latina, trouxeram ânimo à montadora, que se instalou no País em 1998, tem capacidade de produzir 3,5 mil carros, mas operou durante todo o ano passado com mais de dois terços de capacidade ociosa. De 1998 até 2003, a empresa produziu no País 5 mil carros, com índice de nacionalização de 60%. A linha Defender, única montada aqui, nas versões 90, 110 e 130, responde por mais de 80% das vendas da marca no País e as pessoas físicas por 80% das compras. Em 2003, diz o diretor comercial da Land Rover no Brasil, John Peart, a montadora vendeu 1.204 carros, dos quais 150 exportados para o Chile, Paraguai e Uruguai. "O uso do carro pelo Exército brasileiro já deu um outro resultado: a Venezuela nos consultou sobre a compra do Defender, o que deverá ter impacto este ano." Por isso mesmo, a previsão de Peart é encerrar o ano com vendas de 2 mil jipes. "Vamos ampliar as exportações, especialmente para outros países da América Latina, como a Argentina que ainda compra o Defender montado na Inglaterra, embora o montado no Brasil tenha muito mais qualidade", diz Peart. O grande salto da Land Rover no País virá, porém, da reengenharia do Defender, que a matriz inglesa está executando neste momento de olho no mercado americano, que seria abastecido pelo Brasil. "Quando tivermos o Defender adequado às exigências de segurança americanas, nossa produção vai aumentar vertiginosamente". Hoje, a montadora emprega 40 pessoas, mas esse número pode dobrar ou triplicar com as vendas, diz Peart.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.