Exército de arapongas vive ''boom'' no Brasil, diz Guardian

Brasil teria maior contingente de detetives particulares do mundo: 120 mil.

BBC Brasil, BBC

26 Julho 2007 | 07h06

Um "exército de Sherlock Holmes" - ou detetives particulares - está gerando um espetacular crescimento da atividade de espionagem no Brasil, afirma uma reportagem publicada nesta quinta-feira no jornal britânico The Guardian. Uma associação de detetives ouvida pelo jornal afirma que o país tem 120 mil arapongas particulares - possivelmente o maior contingente em todo o mundo, de acordo com a entidade. Isto representaria um crescimento de 100% nos últimos dez anos. "O Brasil não inventou a espionagem privada, mas abraçou a profissão como poucos lugares", escreve o repórter do Guardian no Rio de Janeiro. "Das metrópoles do sul às cidades amazônicas, os classificados dos jornais estão repletos de anúncios de investigadores particulares, e há uma enxurrada de seus sites na Internet." Cobrando uma taxa de cerca de R$ 2,5 mil por semana, os detetives privados têm como clientes mais assíduos mulheres que desconfiam de seus maridos, diz a reportagem. Entretanto, "como uma série de escândalos oficiais evidenciam, detetives particulares também estão tendo uma importância cada vez maior na política - seja cavando a sujeira dos inimigos de seus clientes, seja descobrindo se eles estão sendo investigados pela Polícia Federal". "Uma recente ofensiva anti-corrupção do governo e da Polícia Federal também contribui para o ''boom''", assinala o Guardian. "Muitos políticos e empresários estão agora contratando investigadores particulares para fazer varreduras em seus escritórios em busca de grampos e dar dicas de como não cair em armadilhas de contraespionagem." Um detetive afirmou ao jornal que o sucesso da indústria de espionagem particular está na alta taxa de resolução dos casos - 80%, contra 12% de sucesso em investigações da polícia. "Estamos vivendo no século da insegurança", disse o detetive, de acordo com o Guardian. "Todo mundo desconfia de todo mundo." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.