Exército de Burkina Fasso impõe governo interino após multidão queimar Parlamento

O Exército de Burkina Fasso dissolveu o Parlamento e anunciou um governo de transição nesta quinta-feira depois de violentos protestos contra o presidente do país, Blaise Compaoré, mas não ficou imediatamente claro quem está no comando.

MATHIEU BONKOUNGOU E JOE PENNEY, REUTERS

30 de outubro de 2014 | 20h29

O chefe do Exército, general Honore Traore, disse que um novo governo vai ser instalado após consulta com todos os partidos políticos e levará o país a uma eleição dentro de 12 meses. Ele também anunciou um toque de recolher durante a noite.

A mudança ocorreu depois que dezenas de milhares de manifestantes encheram as ruas de Ouagadougou nesta quinta-feira para exigir a saída de Compaoré, atacaram o Parlamento, atearam fogo no edifício e saquearam a televisão estatal.

Pelo menos três manifestantes foram mortos a tiros e dezenas de pessoas ficaram feridas quando as forças de segurança abriram fogo contra a multidão.

"Dada a necessidade de preservar o país do caos e preservar a unidade nacional... a Assembleia Nacional está dissolvida, o governo está dissolvido", disse Traore em entrevista coletiva.

No entanto, ele se recusou a dizer se Compaoré, cuja tentativa de estender seu governo de 27 anos provocou meses de tensão no país sem saída para o mar, continuava como chefe de Estado.

A Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Cedeao) afirmou mais cedo nesta quinta-feira que não aceitaria qualquer tomada de poder por meios não-constitucionais, o que sugere pressão diplomática para deixar Compaoré no cargo.

Antes do anúncio dos militares, o presidente emitiu seu próprio comunicado anunciando um estado de emergência a ser executado pelo Exército e pedindo um diálogo com a oposição.

Os protestos foram desencadeados pela tentativa do governo de promover uma mudança constitucional no Parlamento para permitir que o presidente de 63 anos tente a reeleição no ano que vem. Grandes manifestações também aconteceram em Bobo Dioulasso, a segunda maior cidade de Burkina Fasso, e Ouahigouya, no norte do país.

(Reportagem adicional de Daniel Flynn, David Lewis e Bate Felix, em Dacar; de Joe Bavier e Ange Aboa, em Abidjan; e de John Irish, em Paris)

Mais conteúdo sobre:
BURKINAFASSOCRISEPOLITICA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.