Exército deixa complexos da Penha e do Alemão, no Rio

As tropas do Exército deixaram os complexos do Alemão e da Penha, na zona norte do Rio, na manhã desta segunda-feira, 9, pouco mais de um ano e sete meses depois da ocupação. A saída dos homens foi acompanhada de uma solenidade com a presença do Ministro da Defesa, Celso Amorim, e do governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB).

FELIPE TAU, Agência Estado

09 de julho de 2012 | 16h07

As tropas entraram nas comunidades no dia 26 de novembro de 2010, com o objetivo de tomar os territórios controlados por traficantes e permitir a instalação de Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs). Com um efetivo médio de 1,3 mil homens, o Exército começou a deixar a área em março deste ano, sendo substituído gradativamente pela Polícia Militar, que agora passa a ficar responsável pelo policiamento.

De acordo com informações do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas, 8.764 militares participaram da ocupação desde 2010. No período, marcado por conflitos com moradores e confrontos com criminosos, a operação contabilizou em apreensões 215 kg de entorpecentes, 302 automóveis, 197 motos, 131 máquinas caça-níquel, 102 eletroeletrônicos, 42 armas diversas, 2.015 munições, 79 carregadores, 13 granadas e R$ 170 mil; e 733 prisões e detenções.

Tudo o que sabemos sobre:
ExércitoRioUPP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.