Exército do Egito prende e agride manifestantes, dizem ativistas

O Exército egípcio prendeu dezenas de egípcios envolvidos nos protestos de massa contra o governo do presidente Hosni Mubarak e cometeu abusos contra alguns detidos, disseram nesta quinta-feira ativistas egípcios e grupos dos EUA de defesa dos direitos humanos.

REUTERS

10 de fevereiro de 2011 | 13h02

O Exército foi enviado às ruas em 28 de janeiro para restaurar a ordem. Foi saudado pelos manifestantes, que o viram como força neutra. O Exército disse que protegeria os manifestantes contra partidários de Mubarak que os vêm atacando, mas também pediu que os manifestantes voltassem para casa.

"Desde 31 de janeiro a Human Rights Watch documentou a prisão arbitrária por policiais do Exército de pelo menos 20 manifestantes que estavam deixando a praça Tahrir ou se dirigindo a ela", disse a HRW, sediada em Nova York, em comunicado.

"A maioria dessas prisões ocorreu nas proximidades da praça ou em outros locais do Cairo de onde manifestantes estavam levando provisões à praça."

A HRW disse que documentou pelo menos cinco casos de tortura. Um detido que foi libertado disse à HRW que viu oficiais militares aplicarem choques elétricos em pelo menos 12 detidos em 1 de fevereiro.

O Exército nega que tenha abusado de manifestantes.

"As forças armadas negam qualquer abuso de manifestantes. As forças armadas se atêm ao princípio de proteger manifestantes pacíficos e nunca disparou, nem vai disparar, contra manifestantes", disse uma fonte das Forças Armadas, respondendo às acusações.

A HRW disse que pelo menos 119 pessoas foram detidas desde que o exército foi para as ruas. O exército entrou em ação depois de a polícia ter perdido o controle e ter sido retirada das cidades egípcias maiores.

Os detidos incluem manifestantes, ativistas de direitos humanos e jornalistas que cobriam os protestos. Não ficou claro quantas pessoas continuam detidas.

(Por Dina Zayed e Andrew Hammond)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOEXERCITOABUSOMANIFESTANTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.