Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Exército do Sudão do Sul entra em choque com rebeldes; 16 mortos

Ao menos 16 pessoas morreram em confrontos entre uma milícia dissidente e o Exército do Sudão do Sul, informaram as forças militares nesta quinta-feira, suscitando temores sobre a estabilidade do Sul, região produtora de petróleo que se prepara para declarar sua independência do Sudão.

JEREMY CLARKE, REUTERS

10 de fevereiro de 2011 | 08h46

Os confrontos contra as forças fiéis ao grupo de George Athor no estado de Jonglei, no Sudão do Sul, entre quarta e quinta-feira, romperam um instável cessar-fogo estabelecido com o governo sulista. O incidente ocorreu após uma revolta militar no estado vizinho do Alto Nilo, em que ao menos 60 pessoas morreram.

A violência encerrou em um período de relativa calma no território pobre e dividido, e num momento delicado para a região.

Na segunda-feira, resultados finais de um referendo mostraram que quase 99 por cento dos sulistas votaram pela separação do norte. A votação era prevista pelo acordo de paz de 2005, que encerrou décadas de guerra civil entre os dois hemisférios.

Estima-se que cerca de 2 milhões de pessoas tenham morrido no conflito, marcado também pela violência entre milícias rivais no sul do país. Há tremores de que as antigas divisões possam ressurgir no período que antecipa a secessão, prevista para o dia 9 de julho.

A guerra entre o norte o sul do Sudão foi inflada por diferenças étnicas, ideológicas, religiosas e pela questão do petróleo, que garantiu ao sul armas e munições.

PRISÃO DE OPOSICIONISTA

Ainda nesta quinta-feira, as forças de segurança do Sudão prenderam a porta-voz do partido oposicionista Umma, Mariam al-Mahdi, segundo informou uma parente dela. A detenção é a última de uma série efetuada recentemente no país, como parte de uma ação repressiva aos protestos antigovernamentais.

"As forças de segurança levaram-na antes que pudesse entrar em seu carro", disse Habab Mubarak, prima de Al-Mahdi.

Parentes de dezenas de mulheres detidas durante manifestações de protesto no mês passado tentaram entregar nesta quinta-feira ao governo do Sudão um comunicado de protesto, mas muitos acabaram também sendo presos.

Jovens têm protestado no norte do Sudão, nas últimas semanas, contra o aumento dos preços dos alimentos e violações dos direitos humanos, em parte inspirados pelos levantes ocorridos recentemente no Egito e Tunísia.

(Reportagem adicional Opheera McDoom)

Tudo o que sabemos sobre:
SUDAOCONFRONTOSREBELDES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.