Expectativas pelo leilão movimentam mercado
Conteúdo Patrocinado

Expectativas pelo leilão movimentam mercado

Em 2021, Brasil deve fazer maior venda de redes de 5G do mundo

Especial 5G, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

26 de novembro de 2020 | 16h45

As empresas de telecomunicações e o mercado aguardam com ansiedade o leilão que decidirá a venda e o consequente uso do espectro para a implementação das redes de quinta geração (5G) no País, em frequências exclusivas. A previsão mais otimista indica que a concorrência pode ocorrer no primeiro semestre do ano que vem. A pessimista estabelece o segundo semestre de 2021 como data-limite. Independentemente de quando for, as autoridades, teles e fornecedores da tecnologia concordam em um ponto: será o maior leilão para 5G do mundo.

Inicialmente previsto para março de 2020, o leilão atrasou em virtude da pandemia, segundo Leonardo Euler de Morais, presidente da Anatel. Para ele, a crise do novo coronavírus vai influir também nos valores mínimos de vendas das licenças e nos investimentos que as teles adquirentes terão de realizar em contrapartida à exploração dos espectros.

Sem atrasos

Tiago Machado, VP da área de novos negócios da Ericsson – empresa que é uma das três grandes fornecedoras de tecnologia 5G proprietária do mundo, ao lado de Nokia e Huawei –, considera que o Brasil não sofreu grandes impactos, além do atraso, no leilão. Para ele, “o momento de pandemia chegou no período em que a Anatel realizava entendimentos e ajustes no edital além de outros testes”, o que não influiu diretamente na implementação prática do 5G. Uma situação inversa ocorreu em países como a Espanha, que tiveram de adotar o lockdown exatamente no momento em que as redes eram postas em campo e ajustadas.

No leilão do ano que vem, a principal disputa entre as operadoras será pelas faixas em torno dos 3,5 GHz, mesma frequência utilizada no restante do planeta para as principais implementações da quinta geração. A autoridade responsável por todo o processo, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), oferecerá ainda fatias de 700 MHz e 2,3 GHz (ociosas em algumas regiões) e 26 GHz (as chamadas ondas milimétricas, com altíssima largura de banda e específicas para altíssimo desempenho da rede, destinadas a aplicações críticas). Essa última, por questões de alcance de sinal, bastante reduzido por causa da alta frequência, exigirá grandes investimentos em infraestrutura como antenas, rádios e fibra ótica interligando servidores e core de rede.

Nos 3,5 GHz, a principal das frequências e certamente a primeira a ser implementada, haverá a oferta de quatro faixas no ar por onde trafegam os sinais das operadoras. A largura de cada uma será de 100 MHz. O feixe total de frequências a ser disputado vai, desta forma, segundo a documentação técnica do leilão, de 3,3 GHz a 3,6 GHz, atendendo todas as principais teles brasileiras. Elas executarão, quando da implementação da rede, uma “sintonia fina” para que não haja interferências de sinal entre elas e com outros serviços de telecomunicações.

 

Ampliação das redes em DEBATE

Um dos pontos ainda em discussão no edital final do leilão, e que foi tema de muita análise em 2020, em consultas públicas e reuniões da Anatel, é a questão das contrapartidas. As operadoras que adquirirem as frequências terão de se comprometer com a ampliação das redes (inclusive investindo em gerações móveis anteriores, para melhorar serviços de voz e dados) e também em levar a infraestrutura de conexão a áreas mais remotas do País. Há ainda a previsão de cobrir, com infraestrutura para serviços de voz e internet, uma parte considerável da malha rodoviária federal do Brasil.

Outra das questões importantes, envolvendo as contrapartidas, está no fato de que a anatel vem conduzindo testes para eliminar a possibilidade de conflitos entre o 5g e transmissões de tv na chamada banda c, também denominada tvro, destinada para programação aberta via satélite, captada por antenas parabólicas. O uso desse equipamento nos grandes centros diminuiu, mas sua importância ainda é altíssima no interior do brasil. Uma das ideias em debate é incluir nos editais uma forma de mitigação das possíveis interferências que seria assumida pelas operadoras (já há um acordo nesse sentido), com o fornecimento de filtros para as antenas para evitar conflitos de sinal com o 5g.

Caráter econômico do edital ainda é uma incógnita

Operadoras e fornecedoras da tecnologia 5G são unânimes: o governo tem de, na medida do possível, diminuir o viés arrecadatório para que haja fôlego para direcionar recursos para a implementação da infraestrutura de quinta geração.

“Não basta dizer: vamos ligar o 5G e tudo começa a funcionar”, diz Marcio Carvalho, diretor de Marketing da Claro. As operadoras precisam de clientes que comprem os serviços de 5G para justificar os gastos com leilão e instalação da infraestrutura.

Eduardo Ricotta, presidente da Ericsson para o Cone Sul da América Latina, defende um leilão seguindo pela linha do investimento na infraestrutura, para fazer o 5G decolar o mais rapidamente possível. “O bolso das operadoras é um só: ou elas investem em frequência ou na infraestrutura das redes”, diz o executivo da Ericsson. Segundo Ricotta, um estudo interno da empresa mostra que um aumento de 10% da cobertura do 5G geraria R$ 30 bilhões por ano a mais de impostos.

A questão de infraestrutura é crítica e certamente haverá dificuldades e lacunas em várias regiões do País, segundo membros do setor. Além disso, existem outros desafios a ser enfrentados, como o da enorme confusão de legislações municipais para a implementação de antenas, por exemplo. A capital paulista, apesar de ter flexibilizado a instalação de pequenas estruturas de transmissão usadas em redes 5G, é uma das cidades com leis mais restritivas em relação à colocação de antenas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.