Explosão na Síria mata líder do Hezbollah

Grupo militante islâmico libanês acusa Israel de estar por trás de ataque a bomba.

Da BBC Brasil, BBC

13 de fevereiro de 2008 | 10h05

O grupo militante islâmico libanês Hezbollah disse que um de seus líderes, Imad Mughniyeh, foi morto em um ataque a bomba em Damasco, capital da Síria, e acusa Israel pelo atentado.Mughniyeh é tido como organizador de uma série de seqüestros de ocidentais no Líbano nos anos 80.Correspondentes dizem que ele estava escondido havia vários anos e que ele era uma das pessoas mais procuradas pelos serviços secretos de Israel e dos Estados Unidos.Mughniyeh foi descrito como chefe de inteligência e operações especiais do braço militar do Hezbollah.Vizinhança em choqueHoras depois da explosão, a TV estatal síria confirmou que uma pessoa havia morrido, mas não identificou a vítima.A polícia síria manteve a mídia e curiosos a distância no local da explosão, no rico distrito de Kafar Soussa.A TV Manar, em Beirute, de propriedade do Hezbollah, anunciou a morte dizendo: "Com todo o orgulho declaramos que um grande líder da jihad da resistência islâmica no Líbano se junta aos mártires... o irmão comandante hajj Imad Mughniyeh".O canal informou que o funeral será na quinta-feira, quando está marcado um comício para marcar os três anos do assassinato do ex-primeiro-ministro Rafik Hariri. As autoridades temem confrontos entre manifestantes governistas e da oposição, que inclui o Hezbollah.HezbollahA organização foi criada em 1982 por um grupo de clérigos muçulmanos xiitas depois da invasão israelense ao Líbano.Nos últimos anos, ele emergiu como uma das grandes forças políticas e militares no Líbano, depois de sucessos militares contra Israel.Acredita-se que membros do grupo planejaram alguns dos mais famosos sequestros dos anos 80, inclusive um atentado suicida que matou 241 fuzileiros navais americanos em Beirute em 1983.O governo israelense acredita que Mughniyeh esteve envolvido no atentado contra a embaixada israelense em Buenos Aires, em 1992, matando 29 pessoas, e contra um centro judaico na mesma cidade, em 1994, que causou a morte de 95 pessoas.O parlamentar israelense Danny Yatom, ex-chefe do serviço secreto israelense Mossad, descreveu Mughniyeh como "um terrorista cruel e perigoso entre os terroristas".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaDamasco bomba hezbollah

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.