Explosão permite detectar buraco negro dentro da Via-Láctea

O observatório de raios-X da Agência Espacial Européia (ESA), o Integral, detectou um tipo raro de explosão de raios gama, uma vasta liberação de energia que permitiu que astrônomos determinassem a provável posição de um buraco negro dentro de nossa galáxia, a Via-Láctea.A explosão foi captada em 17 de setembro, por uma equipe de cientistas baseada em Versoix, na Suíça. "O centro galáctico é uma das regiões mais interessantes para astronomia de raios gama, porque há muitas fontes em potencial", diz Roland Walter, principal autor do trabalho que descreve os resultados sobre o buraco negro. Refletindo a importância da região, o integral atualmente roda o chamado Programa Chave, no qual boa parte do tempo de observação é dedicado ao centro galáctico. Foi durante uma das primeiras observações desse programa que a explosão foi detectada. Ela continuou a ganhar brilho durante dias, antes de iniciar uma redução gradual de intensidade que se prolongou por semanas. O modo como um evento ganha e perde brilho é chamado de "curva de luz". Comparando a curva produzida por esse evento com outras, os pesquisadores concluíram tratar-se de uma erupção produzida por um sistema binário, composto por uma estrela semelhante ao Sol e um buraco negro. Nesse tipo de sistema, a gravidade do buraco negro arranca pedaços da estrela, que derrama gás num disco que cerca o buraco negro.De tempos em tempos, o disco torna-se instável e seu material mergulha no buraco negro, causando o tipo de explosão que o Integral captou.

Agencia Estado,

27 de novembro de 2006 | 18h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.