Explosões deixam ao menos 28 mortos em Bagdá

Ataque com três explosões coordenadas, atribuído à Al-Qaeda, fere mais de 50.

Da BBC Brasil, BBC

10 Novembro 2008 | 08h48

Pelo menos 28 pessoas morreram em um ataque coordenado de bombas em Bagdá nesta segunda-feira, no que está sendo considerado o incidente mais violento no Iraque dos últimos meses. Segundo a polícia, dois carros-bomba explodiram em Adamiya, uma movimentada área sunita. Quando, no local, se formou uma multidão para ajudar os feridos, um homem-bomba detonou seus explosivos. O número total de feridos ultrapassa 50.A tática de detonar bombas coordenadamente, para causar o maior número possível de vítimas, é uma característica dos ataques da Al-Qaeda desde o início da invasão comandada pelos Estados Unidos, em 2003.Al-QaedaNenhum grupo assumiu a autoria do atentado, mas especula-se que os ataques desta segunda-feira tenham sido uma resposta da rede contra milícias sunitas que trocaram de lado nos últimos meses, passando a combater ao lado do governo iraquiano.Grupos de insurgentes armados em Adamiya passaram a receber salários do governo para ajudar a expulsar a Al-Qaeda da área. A iniciativa de cooptar grupos sunitas foi vista como uma estratégia americana que acabou ajudando a diminuir a violência no Iraque desde o ano passado.Ao contrário do que ocorria durante os primeiros anos da ocupação, os insurgentes não controlam mais regiões inteiras do país.No entanto, ataques a bomba tendo como alvo a polícia, o governo ou civis ainda ocorrem com freqüência.No domingo, uma mulher bomba detonou seus explosivos dentro de um hospital nas proximidades da cidade de Fallujah, na província de Ambar, matando três pessoas e ferindo outras cinco.O controle da província, antes considerada reduto da Al-Qaeda, foi transferidos dos militares americanos para as mãos do governo iraquiano há dois meses.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
ataque iraque bomba explosão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.