Exportação de café verde do Brasil cai 14,5% em setembro

A exportação de café verde do Brasil em setembro somou 2,55 milhões de sacas, queda de 14,5 por cento em relação ao mesmo mês do ano passado, com o mercado sentindo já os efeitos de uma safra 2011/12 menor, informou nesta sexta-feira o Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil).

REUTERS

07 Outubro 2011 | 16h37

Os embarques de café verde no mês passado também caíram em relação a agosto, quando atingiram 2,63 milhões de sacas.

"Com uma safra menor de café arábica, é isso aí", afirmou o diretor-geral do Cecafé, Guilherme Braga, em entrevista à Reuters após a divulgação dos números.

Em meados de setembro, o Brasil estimou oficialmente a safra de café 2011/12 em 43,15 milhões de sacas, contra 48,1 milhões de sacas na temporada anterior, quando a produção de arábica foi maior, no ano de alta do ciclo bianual.

Em 11/12, embora o Brasil tenha recentemente acabado de colher a sua maior safra de um ano de baixa do arábica, os estoques estão relativamente baixos, com exportações em patamares recordes e um consumo interno aquecido.

"Há tendência de escoamento mais lento, o pessoal tem café, mas escoa mais devagar. O produtor define um modo como vai colocando o café no mercado, mais ou menos proporcional à safra", afirmou o executivo, ao ser questionado sobre o fato de a exportação ter caído em setembro em relação a agosto, um mês em que o escoamento da safra 11/12 ainda está começando.

Segundo Braga, os estoques de passagem estimados pela Conab, de pouco mais de 9 milhões de sacas, podem ser considerados "estoques de trabalho".

"A exportação de arábica vai cair este ano", disse ele, sem estimar o volume.

O Brasil é o maior produtor e exportador global de café, e mais de 75 por cento de sua produção costuma ser da variedade arábica.

Nos últimos meses até setembro, as exportações totais de café verde do Brasil somam 31 milhões de toneladas, sendo 28,6 milhões da variedade arábica.

Em setembro, as exportações de café arábica somaram 2,33 milhões de sacas, contra 2,83 milhões de sacas do mesmo mês de 2010, um ano que o Brasil registrou um "safrão", lembrou Braga.

As exportações de café robusta, por outro lado, apresentaram aumento de 40 por cento em setembro na comparação anual, para 219,6 mil sacas, com bons preços no mercado internacional e uma boa safra no Espírito Santo, o principal produtor da variedade.

O robusta não tem bianualidade. Segundo a Conab, a safra do café também chamado conilon somou 11,2 milhões de sacas, praticamente estável ante 10/11.

RECEITA

Considerando os embarques de café solúvel, a receita com as exportações de café no mês de setembro apresentou alta de 38,8 por cento em relação ao mesmo período do ano passado, atingindo 805,323 milhões de dólares, com exportadores ainda se beneficiando dos bons preços internacionais.

Aliás, segundo Braga, o declínio acentuado dos preços do café em setembro não interferiu nos embarques do mês passado.

"O café exportado em setembro já estava vendido", salientou.

O relatório também mostra que no acumulado do ano (de janeiro a setembro), a receita registrou crescimento de 66 por cento, para 6,12 bilhões de dólares.

(Por Roberto Samora)

Mais conteúdo sobre:
COMMODS CAFE CECAFE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.