Exposições

cenas melancólicas dominam as gravuras de Goeldi

O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2012 | 03h11

Nem mesmos as cores que aparecem cá e lá nas xilogravuras de Goeldi (1895- 1961) são capazes de lhes tirar o ar pesado, melancólico. Elas o amenizam, claro - são momentos de leveza em meio às grandes áreas pretas, feitas a partir das matrizes de madeira talhada. Estão no guarda-chuva do homem solitário, na calçada diante de casarões tenebrosos, na saia da mulher sonâmbula.

Cenas que a exposição Oswaldo Goeldi: Sombria Luz reúne em cerca de 250 obras. Na maior mostra já feita sobre o artista carioca, estão gravuras

e desenhos produzidos por ele a partir da década de 20 - momento em que Goeldi se tornou Goeldi, como define

o curador Paulo Venancio Filho.

Nos trabalhos, é possível identificar diferenças entre ele e os outros expressionistas. "Goeldi usa elementos mínimos, não é panfletário nem sentimental; suas obras têm certa sobriedade", observa o curador. Ainda assim, explora temas recorrentes entre os artistas do movimento, como a tensão entre

a vida e a morte.

Em relação ao modernistas brasileiros, Goeldi também destoou. Ao retratar a vida urbana do Rio de Janeiro e de seus personagens, revelou um lado mais obscuro do País - um "Brasil subterrâneo", como diz Venancio. "Ele é uma nota dissonante dentro do modernismo, que tende ao tropical, ao exuberante; e talvez o lado revelado por Goeldi seja mais verdadeiro."

Depois de desvendar a trajetória do artista ao longo de quatro décadas, você pode ainda saber mais sobre o ambiente em que elas foram produzidas. Na Sala Paulo Figueiredo, o ateliê que ele mantinha em seu apartamento no Leblon foi reconstituído. Objetos pessoais, fotografias, cartas e documentos foram espalhados pelo espaço, com a ajuda de sua sobrinha-neta, Lani.

É mais uma forma de revelar outra faceta de Goeldi - que, até então, era tão obscura quanto suas obras.

Marina Vaz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.