FAB encontra mais destroços na área do acidente

O Comando da Aeronáutica informou ter localizado na madrugada de hoje mais quatro pontos com objetos e materiais metálicos na região onde ontem foram encontradas partes do avião da Air France desaparecido no domingo, na rota Rio-Paris, com 228 ocupantes. As peças foram encontradas a uma distância de 90 quilômetros ao sul da área inicialmente coberta pelas aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) na busca ao Airbus do voo 447. De acordo com nota divulgada pelo vice-chefe de Comunicação Social da Aeronáutica, coronel Jorge Amaral, foram detectados vários objetos espalhados em uma área circular com raio de 5 quilômetros, entre eles uma peça de sete metros de diâmetro, ainda não identificada, mas que pode ser, segundo Amaral,um pedaço da cauda ou lateral do aparelho. Também foram encontrados 10 objetos e uma mancha de óleo com extensão de 20 quilômetros.

ISABEL SOBRAL, Agencia Estado

03 Junho 2009 | 11h34

Segundo o coronel, 11 aviões estão envolvidos na operação de busca e resgate, além de cinco navios da Marinha do Brasil, que devem começar a chegar ao local dos escombros no fim da manhã de hoje. Outros três navios mercantes, de nacionalidades holandesa e francesa, também foram acionados. Havia a previsão de que o primeiro navio da Marinha chegaria ao local às 18 horas de hoje, em razão do mar agitado, mas uma mudança nas condições de tempo na região permitiram a antecipação.

Apesar de os destroços encontrados ontem serem do avião da Air France - como confirmou o ministro da Defesa, Nelson Jobim -, não é possível identificar, segundo Amaral, nenhum dos objetos encontrados hoje como parte do mesmo avião. Em rápida conversa com a imprensa, ele negou rumores de que já teriam sido encontrados corpos na região. "Temos que continuar trabalhando com a hipótese de sobreviventes." O coronel disse também que a Aeronáutica não tem como afirmar nada a respeito de alterações no plano de voo do avião da Air France, como sustenta reportagem publicada hoje no jornal "Folha de S. Paulo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.