Fabricante de próteses defeituosas é preso na França

O fundador da empresa francesa de próteses mamárias Poly Implant Protheses (PIP), Jean-Claude Mas, figura central num escândalo sanitário de proporções mundiais, foi levado ontem para a prisão de Baumettes, em Marselha, no sul da França, por não pagar fiança.

MARSELHA, O Estado de S.Paulo

07 Março 2012 | 03h02

A informação é de uma fonte envolvida nas investigações das fraudes praticadas pelo empresário francês, que em meados dos anos 1990 passou a utilizar gel não homologado na fabricação de próteses mamárias de silicone, utilizadas por milhares de mulheres em diversos países, entre eles o Brasil.

O empresário estava em prisão domiciliar desde o dia 26 de janeiro, por "danos involuntários". O fundador da PIP também é acusado de homicídio culposo, já que algumas das mulheres que receberam próteses de má qualidade da marca, que se romperam, podem ter morrido em consequência desse fato - a relação entre o rompimento das próteses e a morte de pacientes por doenças como câncer ainda está por ser provada.

O empresário deveria ter pagado a soma de 100 mil para evitar a sua prisão. E, mesmo se tivesse pagado a fiança, ainda estaria proibido de sair do país e de fabricar produtos de beleza. Ao não constatar o pagamento da fiança, um juiz decretou ontem a prisão de Mas.

O advogado do empresário não foi encontrado para comentar a prisão de seu cliente.

As ações criminosas de Mas fizeram com que o governo francês recomendasse a retirada das próteses de silicone da PIP de cerca de 30 mil mulheres. No mundo, o número de pacientes pode chegar a 500 mil. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.