Falsos fiscais da Vigilância Sanitária aplicam golpes

Comerciantes e médicos estão sendo alvo de falsos fiscais da Vigilância Sanitária de São Paulo. Só neste mês, a responsável por um mercado pagou R$ 250 a um estelionatário sob ameaça de ser multada, e a Secretaria Municipal de Saúde recebeu outras duas denúncias de tentativa de golpe. Um alerta publicado ontem no Diário Oficial do Município afirma que ?vários estabelecimentos? da Brasilândia (zona norte), da Lapa e do Butantã (zona oeste) e dos Jardins (zona sul) ?têm sido vítimas? de golpistas.O mercado onde houve a extorsão fica na Avenida Deputado Emílio Carlos, na Brasilândia. ?Fizeram inspeção e disseram que, para não autuar, seria preciso pagar. É o que ocorre?, diz Ricardo Antônio Lobo, gerente de Produtos e Serviços da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa). Dias depois, num curso de atualização na Prefeitura, a comerciante soube que tinha sido vítima de um golpe. Segundo investigadores, o grupo conseguiu levar o dinheiro alegando que o mercado seria interditado por falta de higiene. Os responsáveis pelo estabelecimento não pediram crachá ao grupo.As outras duas denúncias foram feitas anonimamente por responsáveis por estabelecimentos médicos. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, foi relatado que falsos agentes sanitários estavam tentando ?conseguir vantagens?. Em outro caso, o golpista tentou marcar encontro com o denunciante, mas não falou em valores. Para facilitar a identificação dos funcionários, a partir do final da semana que vem os fiscais passarão a utilizar jalecos com o brasão da Prefeitura e o símbolo da Covisa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.