Falta luz, água e comida para a população no RJ

Três dias depois do temporal que arrasou parte da Região Serrana do Rio de Janeiro, o desespero toma conta dos sobreviventes nos oito municípios atingidos. Falta luz, água e comida para a população. Há cidades ainda isoladas, como São José do Vale do Rio Preto e Bom Jardim. As prefeituras já contabilizam 537 mortos, 6170 desabrigados (pessoas que perderam tudo e precisam dos abrigos públicos) e 8420 desalojados (que podem contar com ajuda de vizinhos e familiares).

Agência Estado

14 de janeiro de 2011 | 20h05

No meio de tanta dor, os sobreviventes ainda tiveram que conviver hoje com boatos alarmistas. No centro de Teresópolis, na área comercial mais movimentada da cidade, ocorreu um assalto a uma loja. Mas o que se espalhou é que teriam havido vários saques, arrastão e até tiroteio. Comerciantes fecharam as portas e, com medo, demoraram a reabrir.

Em Nova Friburgo, informações infundadas sobre o rompimento de uma barragem provocou correria no centro, com gente afobada chorando pelas ruas. Motoristas abandonaram seus carros; alguns voltaram na contramão. Sobreviventes continuam tentando encontrar familiares entre os mortos. Na cidade, a orientação é que eles levem fotografias em que seus parentes apareçam com os dentes à mostra. Isso para facilitar a identificação de corpos que já estejam em estado avançado de composição.

Em Teresópolis, onde já morreram 229 pessoas, são tantos corpos no Instituto Médico Legal (IML) da cidade, que hoje as pessoas tiveram que usar máscaras para suportar o mau cheiro na hora de reconhecer os corpos de seus parentes. Os sepultamentos não param. Mesmo de madrugada, familiares choravam seus mortos tentando se equilibrar, na chuva e sem iluminação, entre as mais de 180 covas rasas abertas.

Com a falta de lugar para os enterros, a Justiça do Rio autorizou a exumação antecipada de corpos enterrados em 2007 no cemitério Carlinda Berlim, o principal de Teresópolis. Os restos mortais deveriam ser retirados ao longo de 2011, mas isso será feito emergencialmente, para que deem lugar às vítimas.

O socorro continua desembarcando nas áreas atingidas. Hoje, 225 homens da Força Nacional de Segurança chegaram à Região Serrana. Eles vão auxiliar nas buscas por vítimas e na manutenção da ordem pública nas áreas atingidas pelos temporais no Estado, principalmente em Teresópolis.

O secretário de Defesa Civil do município de Teresópolis, Flávio de Castro, disse hoje que o número oficial de desaparecidas era de 25. Mas admitiu que provavelmente há muito mais corpos nos locais onde os bombeiros não conseguiram chegar. (Felipe Werneck, Marcelo Auler, Márcia Vieira, Roberta Pennafort, Pedro Dantas e Bruno Boghossian)

Tudo o que sabemos sobre:
chuvasRiodesastre

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.