Fama dos Papangus leva 120 mil foliões a Bezerros-PE

A fama adquirida pela brincadeira dos papangus põe em risco a tradição do carnaval de Bezerros, no agreste pernambucano, a 107 quilômetros do Recife. Com uma população de 60 mil habitantes, a cidade recebeu hoje, dia do desfile dos brincantes mascarados, cerca de 120 mil visitantes, de acordo com o prefeito Marcone Borba (PT). Em meio à multidão, os papangus - tradicionais ou não - se pulverizaram. A maioria deles se apresentou com fantasias estilizadas, primando pela beleza e luxo. O papangu original era figura rara.O percurso do desfile dos papangus - em torno de um quilômetro e meio da concentração, na BR-232, que corta a cidade, até à praça principal - já estava tomado pela multidão, antes mesmo da saída dos brincantes. Para dar conta do número crescente de turistas, a prefeitura colocou 16 orquestras de frevo na rua e 200 pessoas vestidas de papangus receberam os visitantes. A preocupação, segundo Borba, é preservar a tradição. Por isso, pede aos que vão ao carnaval da cidade que já cheguem a caráter, fantasiados.OrigemA brincadeira dos papangus é comum no interior de Pernambuco e surgiu na década de 30. Homens vestiam túnicas compridas e usavam máscaras grosseiras - feitas com papel jornal e goma. A idéia era brincar o carnaval sem serem reconhecidos. Gulosos, comiam angu, comida à base de milho. Virou o papangu. A partir dos anos 60, batas longas e estampadas substituíram as roupas esfarrapadas. Na década de 90, a brincadeira se consolidou, especialmente em Bezerros. As máscaras, muito quentes e pesadas, também foram se modificando. Hoje, os papangus preferem usá-las de material sintético.

ANGELA LACERDA, Agencia Estado

03 de fevereiro de 2008 | 18h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.