Família de casal morto no México sofre para trazer corpo

Familiares dos turistas brasileiros que morreram afogados em uma caverna no México há cerca de duas semanas dizem enfrentar dificuldades para trazer os corpos de volta ao País. José Brugnaro Neto, de 34 anos, e Renata Alves Costa, de 36, morreram enquanto faziam um mergulho turístico monitorado na caverna de Chac Mol, em Playa del Carmen, na região da Riviera Maya, no México.

ESTADÃO.COM.BR, Agência Estado

01 Maio 2012 | 20h41

De acordo com José Roque Brugnaro, pai de José Brugnaro Neto, há doze dias os parentes das vítimas têm sofrido com a burocracia envolvida na negociação para trazer os corpos. "Já enviamos diversos documentos, procurações, fizemos contato com os consulados, acertamos valores com o seguro e, ainda assim, não tivemos uma resposta definitiva sobre quando poderemos trazer nossos filhos de volta", diz.

As famílias agora solicitam ajuda das autoridades brasileiras. "Queremos pedir auxílio do governo brasileiro para interferir nesse trâmite e nos ajudar", afirma José Roque Brugnaro. "Notamos que há boa vontade dos órgãos, mas muitas complicações de país para país. Precisamos de auxílio político", completa.

Segundo a polícia mexicana, o casal de brasileiros e seu guia, o espanhol Ismael García Manzanares, de 34 anos, provavelmente se perderam e ficaram sem ar. Os corpos só foram encontrados após sete horas de buscas e a Procuradoria de Justiça do Estado já iniciou as investigações.

Mais conteúdo sobre:
Afogamento México brasileiro corpo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.