Família se despede em cerimônia na capela do hospital

Ao meio-dia, o corpo deixou o local e seguiu para Brasília, onde foi velado

ANTONIO PITA, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2012 | 23h50

Uma missa no início da manhã, restrita aos familiares, marcou o início das homenagens ao arquiteto Oscar Niemeyer. Cerca de 30 pessoas acompanharam a cerimônia realizada na capela do Hospital Samaritano, em Botafogo. Presidida pelo padre Jorjão, amigo da família há muitos anos, a cerimônia durou 15 minutos. Niemeyer era ateu, mas gostava das celebrações do pároco por promover a reunião da família.

"Perdi a pessoa que mais gostava na vida", disse, emocionada, a viúva do arquiteto, Vera Lúcia Niemeyer, com quem ele foi casado nos últimos seis anos.

A neta dele, Ana Lúcia, afirmou que a família tinha esperança de que ele se recuperasse e retornasse para casa. Segundo ela, Niemeyer estava lúcido e tinha previsão de deixar a unidade de tratamento intensivo ainda nesta semana. "A vida dele era o trabalho."

Às 12h, o corpo deixou o hospital em direção ao aeroporto Santos Dumont, escoltado por batedores da Guarda Civil Municipal. A família do arquiteto e amigos seguiram o cortejo fúnebre em dois ônibus. Eles também embarcaram no avião cedido pelo Governo Federal para Brasília, onde o corpo foi velado no Palácio do Planalto.

Samba. A viúva do arquiteto, Vera Lúcia, também contou que Niemeyer conversava com o seu enfermeiro, Caio de Almeida, para fazer um novo samba. Em 2010, aos 103, anos, o arquiteto compôs com o enfermeiro o samba Tranquilo com a Vida durante um período de internação. A música foi gravada e tocada no último carnaval, no Rio, pela Banda de Ipanema, que homenageou o arquiteto.

"Aquilo surgiu como uma brincadeira, no CTI. Ele sempre escrevia poemas e um dia sentamos para fazer a melodia. Isso vai ficar para a história", lembrou o enfermeiro, que acompanhava o arquiteto há sete anos.

Segundo ele, Niemeyer gostava do trecho da canção que dizia "assim vou eu, tranquilo com a vida, à espera da noite já solta no ar. Como um manto de estrelas com que se anuncia e que se multiplica nas águas do mar." "Ele nunca reclamava da vida. A longevidade dele, em parte vem do trabalho e de sua visão positiva. De madrugada, muitas vezes ele queria trabalhar e a gente tinha de pedir para ele ter calma, que precisava descansar."

O futuro do escritório do arquiteto ainda continua indefinido, segundo um dos seus colaboradores por mais de 30 anos, Jair Valera. "Sempre me perguntei como seria, ainda não sei", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.