Familiares de administrador morto fazem protesto no Rio

Caçula de 14 irmãos, Luiz Carlos foi morto por policiais pouco depois de ter sido feito refém por um assaltante

TALITA FIGUEIREDO, Agencia Estado

20 Julho 2008 | 13h22

Cerca de 50 amigos e parentes do administrador de empresas Luiz Carlos Soares da Costa, assassinado por engano por policiais militares na semana passada, fizeram uma passeata pela paz e contra a violência na orla de Copacabana, na manhã de hoje. "O governador perguntou outro dia ''que cidade é essa em que se matam policiais, em que se matam inocentes?'' Isso é demagogia. Essa cidade é a que ele governa", criticou Milton Francisco da Silva, irmão do administrador. Milton disse que ficou indignado com a declaração do secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, de que os policiais agiram de forma correta.Caçula de 14 irmãos, Luiz Carlos foi morto pouco depois de ter sido feito refém por um assaltante, que roubou seu Siena prata na noite de segunda-feira em Bonsucesso, zona norte do Rio. O criminoso, Jefferson dos Santos Leal, teria feito uma manobra brusca em frente ao carro dos PMs, que iniciaram uma perseguição ao carro. Em depoimento, os policiais afirmaram que não sabiam que havia um inocente no carro e que apenas reagiram depois que Jefferson começou a disparar contra eles. Luiz Carlos morreu antes de chegar ao hospital. Jefferson foi operado e morreu na quarta-feira.Na manifestação de hoje, todos vestiam camisas brancas com a foto de Luiz Carlos e as palavras Lula (apelido dele) e Justiça. Milton também criticou a forma como foi feito o socorro ao irmão. Imagens gravadas por uma equipe de reportagem do SBT, que passava pelo local, mostram que os policiais tiraram Luiz Carlos do carro (ele estava no banco do carona) pelas pernas e o arrastaram até o carro de polícia antes de o levarem para o hospital. "Não se trata nem um animal dessa forma", reclamou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.