Familiares e amigos de MC Daleste serão ouvidos hoje

Familiares e membros da equipe do funkeiro MC Daleste, assassinado a tiros durante um show em Campinas, no sábado, 6, serão ouvidos nesta quarta-feira, 10. O delegado Rui Pegolo, da Delegacia de Homicídios de Campinas, disse que uma hipótese investigada é que o cantor tenha tido alguma relação com uma mulher e que o autor dos disparos tenha agido por vingança. A polícia recebeu a informação de que Daleste teria saído com uma menina e o namorado pode ter tomado conhecimento.

AE, Agência Estado

10 de julho de 2013 | 09h44

Outra hipótese é que tenha ocorrido uma briga, antes do show, por causa de quantas músicas ele cantaria. Na tarde de segunda-feira, 8, foi ouvido um dos organizadores do evento, ligado a associação de bairro do San Martin, área conhecida da polícia pelo tráfico de drogas. A identidade não foi divulgada. A polícia em Campinas montou uma força tarefa para apurar o caso.

Na terça-feira, 9, a Polícia Civil afirmou que o músico pode ter levado um tiro de raspão na axila antes de ser atingido pelo tiro fatal. Imagens feitas por pessoas que filmavam o show mostram o momento em que ele sente o tiro de raspão, mas continua cantando.

Daleste foi atingido 10 minutos após o início do show, enquanto cantava no palco. Ele participava de um evento em um condomínio da CDHU, no bairro San Martin, quando foi morto, às 22h40 do sábado. A polícia ainda apura quem contratou Daleste oficialmente.

Atirador

O que se sabe até agora é que o atirador estava a uma distância de 20 metros a 30 metros do palco. O tiro teria sido dado a uma altura de 1,70m a 1,80m do solo. "Olhando a cena do crime de cima do palco, o tiro veio da esquerda para a direita. A bala atingiu o abdome do cantor, do lado esquerdo, e transfixou seu corpo", disse o delegado.

Não se pode precisar a arma usada, porque não foi encontrado nenhum projétil. A bala que atingiu MC Daleste atravessou ainda um tapume no fundo do palco. Um segundo tiro teria sido disparado. "Mas acreditamos que tenha sido usada uma pistola. O que temos certeza é que o autor sabia atirar bem", afirmou Pegolo. A principal hipótese da polícia é que o atirador tenha se escondido em um terreno baldio, escuro, onde há uma construção e um morro.

"Ao que tudo indica, o atirador não estava no meio da multidão." O uso de um Gol vermelho na fuga também está sendo investigado.

Mais conteúdo sobre:
funkeiromorteinvestigação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.