Famílias de vítimas terão benefícios da TAM por 2 anos

Parentes de vítimas do acidente da TAM detalharam ontem o termo de compromisso que será assinado amanhã entre a empresa, o Ministério Público e a Defensoria. Eles se reuniram na frente do balcão de check-in da TAM, no Aeroporto de Congonhas, para cobrar mais agilidade nas investigações. O termo de compromisso prevê várias concessões às famílias das vítimas (pais, irmãos, cônjuges e filhos) por um período de 24 meses, a partir de 1º de outubro. Entre os direitos, há passagens aéreas e acomodação em hotel, assistência médica (incluindo ressarcimento do valor de remédios) e psicológica, além de traslado gratuito dos corpos para sepultamento. Luiz Antônio Salcedo, pai de Diogo Casagrande Salcedo, uma das 199 vítimas, informou que ?quem entrar com ação indenizatória contra a companhia perderá o direito a hospedagem e passagens gratuitas?. Outro benefício previsto é o apoio logístico e jurídico para obtenção das cópias de boletim de ocorrência, declaração e certidão de óbitos e autorização judicial para cremação.Dário Scott, pai de Thaís Scott, disse que já encontrou dificuldades em obter alguns documentos. ?Eu solicitei à empresa todos os extratos com despesas realizadas em nome da minha filha, mas até agora não consegui nada. Tem até gente se passando por parente das vítimas para ficar em hotel?, afirmou.InvestigaçõesO secretário de Segurança Pública, Ronaldo Marzagão, que esteve anteontem à noite em uma missa organizada pelos familiares das vítimas, em São Paulo, disse que ?dificuldades burocráticas normais? estão dificultando as apurações do caso. Ele ressaltou que o trabalho da polícia se concentra em tentar definir responsabilidades pelo acidente - e não causas. Por acordo internacional, o relatório sobre o acidente com o A320 tem caráter sigiloso. Hoje, as famílias comparecerão à CPI do Apagão Aéreo da Câmara para pedir um tribunal de justiça específico para acidentes aéreos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.