Fazendeiro que ofendeu Chico Buarque paga multa de R$ 2 mil

Desta vez, Guilherme Gaion, que hostilizou cantor em porta de restaurante, aceitou acordo do Ministério Público para se livrar de ação penal

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2017 | 16h19

RIO - Alvo de queixa-crime feita pelo compositor Chico Buarque, o fazendeiro paulista Guilherme Gaion Junqueira Motta Luiz pagou R$ 2 mil de multa para não ser processado por ele após publicar ofensas no Facebook. O fazendeiro aceitou o acordo proposto pelo Ministério Público e ficou livre da ação penal. Ele afirmou na rede social que Chico se beneficiava na Lei Rouanet e, por isso, se posicionara favoravelmente ao governo Dilma Rousseff.

Com o acordo, o juiz Marco Couto extinguiu o processo distribuído para o 4.º Juizado Criminal do Leblon. Motta Luiz, porém, ainda é réu em outra ação, na 44.ª Vara Cível do Rio, em que o cantor cobra indenização por danos morais. O fazendeiro fez a afirmação no Facebook após um incidente ocorrido em dezembro de 2015. Chico estava saindo de um restaurante no Leblon e foi hostilizado por um grupo, que o interpelou agressivamente por seu posicionamento político. Motta Luiz estava no grupo e ironizou Chico, dizendo “para quem mora em Paris é fácil” – o compositor reside no Rio, mas tem um apartamento na capital francesa – e ainda disse: “você é um merda”.      

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.