FDA reconsidera vendas sem prescrição da pílula do dia seguinte

O governo dos Estados Unidos deu novo gás nesta segunda-feira aos esforços para estender o acesso à pílula do dia seguinte, mas apenas a mulheres maiores de 18 anos, lançando um anúncio surpresa de que estava reconsiderando a venda sem prescrição do contraceptivo de emergência quase um ano depois de esta ter sido dada como causa perdida. A Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) notificou o manufaturador Barr Pharmaceuticals Inc. no começo desta segunda de que gostaria de uma reunião num período de sete dias para definir os novos passos que a empresa deve tomar em sua batalha de três anos para vender a pílula, chamada Plano B, sem prescrição para pelo menos alguma mulheres. A porta-voz da empresa, Carol Cox disse que não poderia prever o quão rapidamente a companhia poderia melhorar seu formulário na FDA, que já inclui um plano para restringir a distribuição das pílulas. A FDA divulgou que a decisão final poderia ser alcançada em semanas, se as conversações com a Barr correrem bem. A pílula do dia seguinte é uma alta dose do controle de natalidade convencional que, tomada até 72 horas depois do sexo sem proteção, pode diminuir o risco de gravidez em mais de 89%. Defensores do contraceptivo e médicos dizem que o acesso facilitado à pílula atualmente disponível apenas com prescrição poderia cortar pela metade as três milhões de gravidezes indesejadas, e os próprios cientistas da FDA dizem que as pílulas são seguras. Em dezembro de 2003, os conselheiros científicos independentes da agência endossaram de maneira esmagadora as vendas sem prescrição para todas as idades. Mas a FDA rejeitou esta recomendação, citando a preocupação sobre o uso da pílula por jovens adolescentes sem a ajuda de um médico. A Barr tentou de novo, pedindo que as mulheres maiores de 16 anos pudessem comprar a Plano B sem prescrição e organizando um programa para os farmacêuticos que reforçasse a regra da idade. Mas em agosto passado, o diretor da FDA na época adiou uma decisão indefinidamente, dizendo que a agência precisava determinar como reforçar essas restrições de idade - algo que, segundo a agência, iria requerer a formalidade de escrever novas regulamentações.Nesta segunda, a FDA reverteu a decisão, dizendo que revisou cerca de 47 mil comentários do público, com uma maioria esmagadora apoiando a venda do medicamento com e sem prescrição.Para tentar novamente a Barr precisa preencher novamente sua aplicação com algumas mudanças, como concordar em vender a pílula sem prescrição apenas para mulheres acima de 18 anos e fabricar versões de embalagens para as pílulas com e sem prescrição. Se uma mulher já está grávida, as pílulas não produzem nenhum efeito. Elas evitam a ovulação ou fertilização de um óvulo. Elas também podem evitar que o zigoto se implante no útero, a definição médica de gravidez.Leis em oito Estados do país já permitem que as mulheres comprem a Plano B de certas farmácias sem prescrição ou restrições de idade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.