Fidel fala com Chávez em programa de TV

Presidente cubano conversou com aliado venezuelano por telefone.

Claudia Jardim, BBC

14 de outubro de 2007 | 17h25

O presidente cubano, Fidel Castro, falou ao vivo na TV pela primeira vez neste domingo desde julho do ano passado."Você me disse que não sabia se voltaria a me ver, agora me diz viva Fidel", disse, entre risadas, Fidel Castro, ao iniciar sua participação pelo telefone no programa dominical de seu aliado venezuelano Hugo Chávez.Chávez se deslocou neste domingo à Santa Clara, em Cuba, para homenagear Che Guevara nos 40 anos da sua morte. Em julho, o líder cubano foi submetido a uma cirurgia no intestino e delegou o poder a seu irmão Raúl Castro. Desde então, Fidel não foi mais visto em público, limitando sua aparição a imagens de TV, transmissões de rádio ou fotografias. "Che foi o exemplo, o plantador das idéias, consciências, o plantador do trabalho voluntário, com Che aprendemos estas idéias (...). Te vejo (Chávez) lutando para plantar idéias, te vejo neste povo", disse Fidel. Minutos antes, Chávez brincou e disse que Castro utilizava seu telefone inclusive para falar com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. Fidel - que durante toda a ligação aparentou bom humor e uma voz pausada, mas firme - relembrou, brincando, as idéias de Che. "O mundo está cheio de Vietnãs frente a um poder tirânico que se exerce sobre o planeta (...) te ouvi brincando que eu falava com Bush por telefone. Não, com este senhor não, ele é muito poderoso para falar com demônios. Eu e você, Hugo, somos o eixo do mal", ironizou Fidel entre risadas .O governo Bush afirma que Cuba, Venezuela e Bolívia formam o eixo do mal no continente. "Você é o próprio Lúcifer, Fidel, o gênio malévolo e a mim me dizem o magnata petroleiro", disse Chávez entre risadas. Hugo Chávez transmite seu programa Alô Presidente em frente ao monumento cerimonial onde estão depositadas as cinzas do guerrilheiro Ernesto Che Guevara, assassinado pelo exército boliviano em 8 de outubro de 1967. Che Guevara lutou ao lado de Fidel Castro na ofensiva de 1959 contra o então governo de Fulgêncio Batista, aliado dos EUA, dando início, no dia 1º de janeiro, à revolução cubana. Durante sua conversa telefônica com Fidel, Chávez anunciou a criação de uma Confederação de Repúblicas que integraria os países alinhados na ALBA (Alternativa Bolivariana para as Américas). "Nós, Fidel, que o saiba o mundo, vamos converter essa congregação de países em uma confederação de repúblicas (...) vamos criar uma região potência, não um país potência", anunciou Chávez. Minutos antes de receber a ligação do líder cubano, Chávez transmitiu um vídeo de 17 minutos realizado durante um encontro de quatro horas com Fidel, neste sábado, em Havana. Nas imagens, Chávez aparece lendo o livro "O diário de Che Guevara em Bolívia". O presidente venezuelano presenteou o líder cubano com um quadro pintado por ele e um disco gravado com canções entoadas por Chávez em atos públicos. Durante o encontro, Fidel, de 81 anos, que aparenta melhor estado de saúde que em suas últimas aparições, discorreu sobre a vigência das idéias de Guevara. "As circunstâncias hoje são mais propícias do que nunca para que brotem essas idéias e a revolução de que falou Che (...) Como você vê?" perguntou Castro a Chávez. Chávez disse concordar com o líder cubano, a quem considera como "pai". "Você é o pai de todos os revolucionários. Nosso pai", disse. Fidel respondeu: "Eu não penso assim". Desde a chegada de Chávez ao poder, ambos países têm estreitado relações de cooperação. A Venezuela exporta 90 mil barris de petróleo diariamente a Cuba com preço preferencial. Em contrapartida, mais de 25 mil médicos cubanos e centenas de educadores atuam em território venezuelano. "Até a vitória sempre! Estamos vencendo", se despediu Fidel.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.