Fiéis enfrentam chuva para celebrar a beatificação de Irmã Dulce

Participaram da cerimônia a presidente Dilma, José Serra e os governadores de SP, BA e SE

22 de maio de 2011 | 18h35

Dilma e políticos participam da cerimônia de beatificação de Irmã Dulce 

 

SALVADOR - Nem a chuva que cai sobre Salvador desde a manhã deste domingo, 22, foi capaz de tirar o ânimo dos cerca de 70 mil fiéis que acompanham, desde o início da tarde, a festa de beatificação da religiosa baiana Irmã Dulce.

 

Veja também:

linkPapa Bento XVI fala de Irmã Dulce no Vaticano

linkEvento celebra a beata Irmã Dulce

 

Vindas de todo o País, as caravanas começaram a chegar ainda pela manhã ao Parque de Exposições. "Perto do que Irmã Dulce fez, enfrentar chuva não é nada", disse, emocionada, a aposentada Maria Conceição Rossi, de Aracaju (SE). "Estar em um evento como este é uma oportunidade de agradecer por todas as graças que recebemos. Há mais de dez anos rezo para que Irmã Dulce não deixe faltar nada na vida de minha família, e só tenho a agradecer".

 

Caravanas de Sergipe foram as mais numerosas no evento. Foi do Estado, vizinho da Bahia, que saiu o caso reconhecido como milagre pelo Vaticano - o que propiciou à religiosa, morta em 1992, ser reconhecida como beata.

 

A funcionária pública Cláudia Cristiane Santos de Araújo, do município de Malhador, a 49 quilômetros de Aracaju, foi salva de uma intensa hemorragia que a acometeu logo após o parto de seu segundo filho, Gabriel, hoje com 10 anos.

 

Cláudia e Gabriel participaram da cerimônia, depositando um arranjo de flores sob a imagem oficial da religiosa, que foi mostrada no domingo e que passará a ser como Irmã Dulce será conhecida entre os católicos do mundo.

 

Presidida pelo cardeal d. Geraldo Majella Agnelo - que representa o papa Bento XVI -, a cerimônia em Salvador foi acompanhada pela presidente Dilma Rousseff, os governadores da Bahia, Jaques Wagner, e de Sergipe, Marcelo Déda, o ex-governador paulista José Serra, e o prefeito de Salvador, João Henrique Carneiro, além de ministros, deputados e mais de 600 religiosos, de todo o País.

 

Texto corrigido às 19h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.