Filhos de sem-terra fazem passeata em Curitiba

Cerca de 1,2 mil crianças e adolescentes entre 7 e 14 anos, filhos de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), fizeram hoje de manhã uma passeata no centro da capital paranaense para pedir reformas e implantação de mais escolas nos assentamentos do Estado. Os manifestantes participam desde ontem do 7º Encontro Estadual dos Sem-Terrinhas, em Almirante Tamandaré, região metropolitana de Curitiba, com o tema "Por Escola, Terra e Dignidade". O encontro será encerrada amanhã com uma visita ao Zoológico de Curitiba. De acordo com o movimento, o Paraná tem 288 assentamentos, mas em apenas 80 deles há escolas. Nos outros, as crianças e adolescentes estudam em escolas que ficam nas cidades. "O governo coloca transporte escolar, mas tem criança que fica mais de duas horas dentro do ônibus", salientou o coordenador estadual de educação do MST, Alessandro Santos Mariano. Por isso, a principal reivindicação é para que as escolas sejam levadas para dentro dos assentamentos.Durante a passeata, os próprios sem-terrinha comandaram as palavras de ordem de cima do caminhão de som, reivindicando melhorias na educação e o assentamento de mais 8 mil famílias no Paraná. Na Praça Santos Andrade, onde terminou a manifestação, elas realizaram brincadeiras de roda para lembrar alguns direitos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente. As reivindicações foram levadas por um grupo de crianças à Secretaria de Estado da Educação e ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

EVANDRO FADEL, Agencia Estado

11 de outubro de 2007 | 16h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.