Filipinas declaram estado de calamidade após passagem de tufão

O presidente das Filipinas, Benigno Aquino, declarou neste sábado estado de calamidade nacional, quatro dias depois de o tufão mais forte deste ano ter deixado quase mil mortos ou desaparecidos no país, a maioria no sul da nação, região rica em recursos naturais.

Reuters

08 Dezembro 2012 | 11h03

Os preços das commodities básicas foram congelados, e os governos locais autorizaram o uso dos fundos de calamidade para a busca, ajuda e operações de resgate.

A agência de desastre nacional contou até agora 459 mortos e 532 desaparecidos, a maioria nas províncias de Vale de Compostela e Davao Oriental, na ilha de Mindanao.

Milhares de pessoas ficaram desabrigadas pela passagem do tufão Bopha, que chegou à terra firme na terça-feira, com ventos mais fortes do que os registrados pelo furacão Sandy, que devastou a costa leste dos Estados Unidos em outubro.

O governo enviou cães farejadores para as províncias mais atingidas, para que ajudem nas buscas às vítimas. Equipes de resgate também pediram grandes equipamentos, para ajudar a limpar a destruição.

(Reportagem de Erik de Castro, Rosemarie Francisco e Manuel Mogato)

Mais conteúdo sobre:
FILIPINAS TUFAO CALAMIDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.