Fiocruz terá fábrica de vacina no Nordeste

Unidade no Ceará será a primeira fora do Rio a produzir vacinas contra febre amarela a partir de uma planta

CLARISSA THOMÉ / RIO, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2012 | 03h10

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) vai construir a primeira fábrica de vacinas fora do Rio de Janeiro. A nova instalação ficará no Ceará, no município de Eusébio, na Grande Fortaleza. A unidade vai produzir a vacina de febre amarela por uma nova tecnologia que dispensa o uso do vírus atenuado - será a primeira vacina do mundo produzida a partir de uma planta.

A nova fábrica faz parte de um programa de expansão da Fiocruz e prevê a construção de outras três unidades, em Rondônia, Mato Grosso do Sul e Piauí.

"A Fiocruz quer repensar o seu programa nacional. Há vazios da presença da ciência, tecnologia, de temas importantes da saúde em algumas regiões do Brasil. Queremos tornar esses temas mais presentes em todo o País", afirmou o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha.

As unidades do Ceará, Mato Grosso do Sul e Rondônia serão licitadas este ano, e devem ficar prontas em dois anos. Os núcleos já estão instalados.

No Ceará, a fábrica será instalada no Polo Industrial Tecnológico da Saúde. Em janeiro, a Fiocruz já havia anunciado o acordo de transferência de tecnologia para a fabricação da vacina de febre amarela a partir de plataforma vegetal.

O novo imunizante é mais seguro, com baixo índice de efeitos adversos. A Fiocruz produz hoje 24 milhões de doses da vacina de febre amarela - 3,7 milhões são exportadas. No total, a fundação produz 140 milhões de doses de oito vacinas diferentes.

Em Rondônia, a Fiocruz trabalha no estudo de impacto na saúde da instalação das hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio. "Junto com o estudo tem a ideia de intervenções que possam mitigar problemas como a malária e outras doenças que podem vir decorrentes não só do impacto ambiental como da forte migração interna que esses projetos acarretam", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.