Fla vira líder em Campinas

Cariocas não tiveram dificuldades para bater um Corinthians apático

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

30 de novembro de 2009 | 00h00

O grito veio apenas aos 49 minutos do segundo tempo. E forte: "É campeão." Num jogo cheio de polêmicas, muitos cartões, torcedor reclamando de "roubo" e gritando "vergonha" por causa da arbitragem de Evandro Rogério Roman, o Flamengo ganhou do Corinthians, em Campinas, por 2 a 0, e, beneficiado com a derrota do São Paulo, assumiu a liderança do Brasileiro - sétimo time a figurar no topo da tabela. Erguerá o troféu, no domingo, se ganhar do Grêmio no Maracanã.

Zé Roberto, numa arrancada aos 26 minutos do primeiro tempo, e Léo Moura, de pênalti, aos 49 do segundo, fizeram os gols do triunfo carioca. "Estamos de parabéns. Foi um jogo muito duro. Mas não tem nada ganho ainda. Essa molecada merece esse título, mas temos de ganhar do Grêmio", alertou o experiente Petkovic, 37 anos, a estrela do time na ausência de Adriano, machucado. Do outro lado, Ronaldo atuou só 25 minutos. Saiu com estiramento na coxa e, enfim, ovacionado pelos flamenguistas, que trocaram as provocações ao atacante pelo grito de "Ronaldo, Ronaldo". Um minuto após perder o Fenômeno, o Corinthians, demonstrando enorme apatia, levou o primeiro gol, de Zé Roberto.

Depois de passar a semana inteira falando que dificultariam a vida do Flamengo, os corintianos jogaram sem nenhuma objetividade em Campinas, casos de Elias, Jorge Henrique, Chicão... Já o rival esbanjava vontade. Era garra rubro-negra de todos os lados, premiada com o gol no último minuto. A torcida, que no começo gritou "entrega, entrega", trocou a cantoria para "é campeão" e viu os corintianos, que pediram seriedade de seu time no início, ironizarem o São Paulo com corinho que dizia que o rival se deu mal.

Numa tarde de festa, o pior foi o trio de arbitragem. Saiu escoltado e criticado pelos corintianos após expulsão de Mano Menezes e de Chicão. Alheio à arbitragem, o Flamengo está perto de acabar com a hegemonia paulista na competição nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.