Fleury lucra R$32 mi no 2o tri e mira rentabilidade

A rede de medicina diagnóstica Fleury vai se focar na melhoria do caixa operacional e do mix de produtos, combinada ao reajuste de preços, para manter o ritmo de crescimento até o final do ano, apesar de um ambiente macroeconônico mais desfavorável.

JULIANA SCHINCARIOL, Reuters

02 de agosto de 2012 | 19h48

"Nós temos acelerado a maturação da expansão de 2011 e que foi concluída no final do ano. Também temos feito investimentos em equipamentos de imagem, o que melhora nossa receita", disse à Reuters o presidente da companhia, Omar Hauache.

O crescimento orgânico do grupo foi de 13,3 por cento no segundo trimestre, depois de ter crescido 18,7 por cento no trimestre anterior --uma evolução acima da média para a empresa.

A rede de medicina diagnóstica teve lucro líquido de 32 milhões de reais entre abril e junho, queda de 3,1 por cento ante o mesmo período de 2011, conforme dados divulgados nesta quinta-feira.

De acordo com o diretor de Finanças, Jurídico e de Relações com Investidores do Fleury, Fábio Marchiori, a operação continua saudável. "O lucro operacional cresceu 30 por cento. Estamos na direção certa", disse.

No primeiro semestre, o lucro avançou 5,4 por cento em comparação a igual período de 2011, alcançando 64 milhões de reais.

A companhia registrou alta de 52,9 por cento na receita líquida trimestral, para 374 milhões de reais. No semestre, o avanço foi de 52,8 por cento, a 726 milhões de reais.

O Ebtida (sigla em inglês para lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) cresceu 58,5 por cento na mesma base de comparação, para 82 milhões de reais. Entre janeiro e junho, houve alta de 55,8 por cento, a 159 milhões de reais.

Depois de realizar forte expansão em 2011, a companhia espera agora amadurecer as operações, com ganho de rentabilidade, segundo os executivos. Assim, no próximo ano, a empresa espera voltar a se expandir. "Já estamos nos preparando para o aluguel de terrenos", disse Hauache.

Tudo o que sabemos sobre:
FLEURYRESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.