FOCUS-Mercado reforça corte de 0,5 ponto da Selic nesta semana

A dois dias da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a Selic, o mercado financeiro fincou o pé e manteve as previsões de corte de 0,50 ponto percentual na taxa básica de juros, mostrou o relatório Focus do Banco Central nesta segunda-feira, embora na curva futura de juros haja apostas numa redução mais forte, de 0,75 ponto.

HÉLIO BARBOZA, REUTERS

05 Março 2012 | 12h10

Ao mesmo tempo, os agentes elevaram novamente as expectativas para a inflação no próximo ano e em 12 meses, deixando estável a estimativa para este ano

De acordo com o Focus, as instituições financeiras preveem que a Selic cairá dos atuais 10,50 por cento ao ano para 10 por cento na próxima quarta-feira, segundo e último dia da reunião do Copom. A estimativa aparece tanto na mediana das projeções agregadas quando na do Top 5 -instituições que mais acertam as previsões no Focus.

No mercado de juros futuros, as projeções vinham em queda até a última sexta-feira, em meio a crescentes expectativas de que o BC pudesse acelerar o ritmo de corte da Selic. A curva futura projetava chances maiores de um corte de 0,75 ponto percentual e algumas posições apontavam redução de até 1 ponto percentual, segundo profissionais da área.

Nesta segunda-feira, as taxas dos contratos DI voltavam a subir.

Todos os 42 analistas ouvidos pela Reuters disseram esperar que o BC reduza a Selic em 0,5 ponto percentual na próxima quarta-feira.

A mediana agregada das projeções para a taxa Selic no fim do ano, ainda segundo o Focus, foi mantida em 9,50 por cento para 2012 e em 10,50 por cento para 2013.

Houve alterações, em relação ao relatório anterior, na previsão do ritmo de alterações da taxa. O mercado prevê que a Selic cairá para 9,50 por cento em abril deste ano, voltará a 10,00 por cento em abril de 2013 que vem e subirá novamente em maio e julho do ano que vem, para 10,25 e 10,50 por cento, respectivamente.

INFLAÇÃO

No caso da inflação, os agentes preveem que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) feche 2012 em 5,24 por cento. O prognóstico para 2013 subiu pela terceira semana consecutiva, para 5,20 por cento, contra 5,11 por cento no relatório anterior. A projeção para o IPCA em 12 meses avançou a 5,31 por cento, após 5,28 por cento no último Focus, segunda alta semanal seguida.

A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) informou nesta segunda-feira que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo registrou deflação de 0,07 por cento em fevereiro, ante inflação de 0,66 por cento em janeiro -cenário que corrobora a previsão de corte dos juros, pelo menos no curto prazo.

Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), o mercado continua projetando crescimento de 3,30 por cento neste ano, a exemplo do relatório anterior, mas elevou a estimativa para 2013 a 4,15 por cento, ante 4,10 por cento.

Nesta terça-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga o PIB do quarto trimestre de 2011 e o resultado do ano fechado. Pesquisa da Reuters mostrou que, de acordo com a mediana de previsões de 29 analistas, a maior economia da América Latina deve ter crescido 2,8 por cento em 2011, ante 7,5 por cento de expansão em 2010.

O Focus mostrou ainda que a estimativa do mercado para a taxa de câmbio no fim de 2012 foi mantida em 1,75 real por dólar.

Mais conteúdo sobre:
MACRO FOCUSTRES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.