Fogo consome 22,8 mil hectares no Chile

Governo registrou 1 morto e 48 focos de incêndio em três regiões; presidente Sebastián Piñera pede 'prudência extrema' à população

SANTIAGO, O Estado de S.Paulo

03 de janeiro de 2012 | 03h05

Os 48 focos de incêndios que se alastraram pelo Chile nos últimos dias causaram uma morte e a destruição de 22,8 mil hectares. "Os chilenos precisam ter prudência extrema e consciência da gravidade da situação", alertou ontem o presidente Sebastián Piñera.

Segundo Piñera, três regiões estão em alerta máximo - Magalhães, Biobío e El Maule - e outras oito em diferentes estados de atenção. "Essa situação (grande número de focos) criou uma enorme pressão sobre os recursos que temos para combater os incêndios", admitiu.

Na região de Magalhães, o fogo queimou 12,7 mil hectares do Parque Nacional Torres del Paine, na Patagônia chilena. Cerca de 750 brigadistas, apoiados por helicópteros, aviões e equipes cedidas pela Argentina e Uruguai, conseguiram controlar quatro dos seis focos. Os outros dois não estão se expandido.

Pelo menos 400 pessoas foram retiradas do parque por causa do incêndio, e o governo espera que seja possível a partir de quarta-feira reabrir uma área entre 100 mil e 150 mil hectares para visitação pública.

O Chile trabalha para manter a temporada turística em Torres del Paine, que possui um total de 242 mil hectares utilizados para prática esportiva e de lazer,

O segundo incêndio mais extenso afeta as comunidades de Florida e Quilón, na região de Biobío, onde cerca de 10 mil hectares foram consumidos pelo fogo. Segundo o presidente chileno, a evacuação nessa região foi intensa e um idoso que se negou a abandonar sua casa morreu.

Em Biobío, onde estão trabalhando cerca de 530 brigadistas, centenas de casas foram incendiadas, assim como várias fábricas de madeira. "A situação se tornou especialmente complexa", afirmou o diretor da Oficina Nacional de Emergência, Vicente Núñez, após dizer que as chamas alcançaram áreas povoadas.

A grande dimensão dos incêndios fez o presidente interromper suas férias. A previsão é que hoje ele visite as zonas afetadas em Biobío e El Maule, acompanhado de ministros.

Segurança. Ontem, o governo anunciou que enviará ao Parlamento um projeto de lei que estabelece sanções mais severas para os responsáveis pelos incêndios florestais. Além disso, o Chile pretende modificar a Lei dos Bosques, que trata do tema, melhorar a coordenação dos organismos que cuidam do combate ao fogo, criar um plano nacional de proteção aos parques e reformar o regime de direitos e deveres dos proprietários rurais.

As investigações apontam que o incêndio na Patagônia chilena começou por negligência do israelense Rotem Singer, de 23 anos, que foi detido e agora está em liberdade condicional. Ele responderá à acusação de ter provocado, involuntariamente, a tragédia em Torres del Paine. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.