Fora dos cargos, Serra e Dilma inauguram nova fase da campanha

Nesta semana, os pré-candidatos à Presidência José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), os mais bem colocados nas pesquisas eleitorais, iniciam nova fase em suas campanhas eleitorais.

CARMEN MUNARI, REUTERS

05 Abril 2010 | 15h06

Sem dispor dos palanques proporcionados por seus antigos cargos públicos, que deixaram na semana passada, o ex-governador e a ex-ministra definem nova estratégia participando de compromissos "solo". Precisarão, no entanto, manter a discrição que a lei determina.

Pelo calendário eleitoral deste ano, a campanha oficial para as eleições de outubro começa em 6 de julho, depois das convenções partidárias marcadas para junho.

Dilma dá a largada nesta segunda-feira participando de convenção nacional do Partido da República (PR), que oficializa em Brasília o apoio a sua candidatura. No evento, o senador Alfredo Nascimento, ex-ministro dos Transportes, vai ser empossado como presidente nacional do partido.

Também em Brasília, ela participa na quinta-feira do congresso do PCdoB, quando recebe a adesão oficial da legenda.

Serra, que passou os últimos meses em silêncio sobre sua candidatura, chegando a gerar dúvidas sobre suas reais intenções políticas, tem seu nome lançado em grande evento no sábado também em Brasília. Ao PSDB, se juntam no lançamento os aliados DEM e PPS.

O ex-governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), que deixou o cargo na quarta-feira para concorrer, em princípio, ao Senado, já confirmou presença ao lado de Serra. Depois, o mineiro deve viajar ao exterior e, na volta, pretende se engajar na campanha de Serra, que ainda não informou outros compromissos de campanha além do lançamento.

Existe a hipótese de Dilma participar de evento no sábado como forma de não deixar Serra ocupar todos os espaços. A assessoria da petista, no entanto, ainda não confirma a informação.

Em fevereiro, o lançamento da pré-candidatura de Dilma, realizado no Congresso Nacional do PT, recebeu forte destaque, amplificado pela presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que disse que sua prioridade este ano é eleger a ex-ministra escolhida por ele para disputar sua sucessão.

Os dois outros postulantes, a senadora Marina Silva (PV) e o deputado Ciro Gomes (PSB) não precisaram, pela legislação, deixar seus mandatos. Marina vem viajando pelo país e nesta segunda-feira cumpre agenda no ABC paulista. Ciro não tem divulgado sua agenda.

Pesquisa Vox Populi, divulgada no sábado e encomendada pela Rede Bandeirantes, mostrou empate técnico entre Serra e Dilma. Ele tem 34 por cento das intenções de voto e ela 31 por cento, com margem de erro de 2,2 pontos percentuais.

Ciro Gomes ficou em terceiro lugar com 10 por cento e Marina Silva, com 5 por cento.

Na última sondagem realizada pelo Datafolha, divulgada dia 27 de março, Serra havia ampliado sua vantagem sobre Dilma, chegando a nove pontos.

Mais conteúdo sobre:
POLITICADILMASERRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.