Foram destruídas paredes de concreto, diz síndico de prédio que desabou no Rio

Polícia aguarda a conclusão da perícia para encerrar o inquérito

Fábio Grellet, Agência Estado

04 Abril 2012 | 20h00

RIO DE JANEIRO - O síndico do edifício Liberdade, que desabou em janeiro no centro do Rio, matando 22 pessoas, afirmou nesta quarta-feira, 4, à polícia que, durante a reforma do 9º andar, feita pela empresa de informática T.O. Tecnologia Organizacional, foram destruídas paredes de concreto armado responsáveis pela sustentação do prédio.

Segundo a polícia, Paulo Renha, proprietário de salas em vários andares (inclusive no 9º, alugado à T.O.), afirmou que certa vez planejou fazer uma reforma em banheiros do 17º andar, mas foi orientado por um engenheiro a desistir da mudança, porque as paredes eram de concreto armado e ajudavam a sustentar o edifício.

O delegado da Polícia Federal Fábio Scliar, que investiga o caso, disse que durante a reforma no 9º andar, que tinha a mesma estrutura do 17º, as paredes dos banheiros foram demolidas. Em depoimento a Scliar, Renha afirmou que o prédio tem uma estrutura até o 8º andar, trecho em que era colado ao edifício vizinho, e outra configuração do 9º ao 18º. Devido a essa diferença, existente pelo menos desde 1959, paredes que não eram essenciais à estrutura inferior tinham importância fundamental para os pisos de cima. E ao menos uma dessas paredes foi demolida durante a reforma que era feita pela T.O. "O primeiro piso desse prisma de ventilação, que começa justamente no 9º andar, foi fechado e colocaram uma laje. Transformaram a área fechada em uma saleta. Essa parede que foi retirada eu já sei que era feita de concreto armado", afirmou o delegado.

Além de Renha, quatro operários que trabalhavam na reforma do 9º andar e foram ouvidos terça-feira também confirmaram a demolição de paredes estruturais naquele piso. Um dos operários chegou a dizer que havia mentido no primeiro depoimento à polícia, logo após o acidente, por medo de ser punido pela empresa que o contratara para a reforma. Na ocasião ele dissera que não havia ordem para derrubar paredes estruturais. Mas na terça-feira afirmou que recebeu, sim, essa orientação.

O delegado Scliar aguarda a conclusão da perícia para encerrar o inquérito. Por enquanto, porém, ele afirma que não está definido o indiciamento de ninguém. Scliar afirmou que não vê elementos para indiciar o síndico, que nesta quarta-feira afirmou supor que a obra do 9º andar era realizada sob supervisão de um engenheiro.

Mais conteúdo sobre:
Rioprédiodepoimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.