Força-tarefa prende dois acusados de tráfico em AL

Uma força-tarefa formada por policiais civis, militares e federais prendeu dois homens acusados de envolvimento no tráfico de drogas, seqüestros, latrocínio e assaltos em Maceió. A "Operação Sururu" - em homenagem ao molusco da Lagoa Mundaú, área onde os dois acusados moravam - foi a primeira ação conjunta da nova força-tarefa. O trabalho faz parte do plano do governo do Estado para reduzir a criminalidade em Alagoas. "Vamos atuar em conjunto toda vez que for preciso", afirmou o secretário interno da Defesa Social, coronel Ronaldo dos Santos. Segundo ele, o foco da força-tarefa será o combate aos crimes de repercussão, como tráfico de drogas, assaltos a bancos, seqüestro, roubo de carga e pistolagem. "A prisão desses dois traficantes, pai e filho, que planejavam o resgate de outro integrante da família que está preso, é apenas o começou de suma série de ações no combate à bandidagem", afirmou Santos. Os presos, José Júlio de Oliveira, conhecido por "Zé Moreno", e seu filho Everton Luan da Silva, conhecido por "Nen Catenga", foram apresentados à imprensa na sede da superintendência da Polícia Federal em Maceió. Com eles, foram apreendidos maconha, pedras de crack, cinco celulares, uma pequena quantia em dinheiro e documentos. Os dois presos estavam com ferimentos nos joelhos e disseram que apanharam para confessar crimes que não teriam cometido. "Sou comerciante, conhecido na região do Mercado e do Primeiro Distrito Policial há mais de dez anos. Nunca fui preso, nunca mexi com drogas, não sei nem o que é isso", afirmou Oliveira.Moradores do bairro Levada realizaram um protesto contra a "Operação Sururu", ateando fogo em pneus e interditando uma das ruas que fica por trás do Mercado da Produção, no centro de Maceió. Um dos moradores disse que a manifestação era em repúdio à ação das polícias para capturar acusados de chefiar o tráfico de drogas na região. De acordo com alguns moradores, os policiais agiram de modo truculento durante o cumprimento de mandado de prisão dos dois acusados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.