Forças Especiais da PF reforçam ação no Sul da Bahia

As Polícias Militar, Civil e Federal do estado da Bahia informaram, em entrevista coletiva realizada neste domingo, que tropas do Comando de Operações Táticas da Polícia Federal foram enviadas para as regiões de conflito entre índios e fazendeiros na região sul da Bahia.

GHEISA LESSA, Agência Estado

22 Abril 2012 | 17h45

Conforme informações do delegado da Polícia Federal Rodrigo Reis, 30 homens das forças especiais da polícia foram convocados para avaliar a atual situação das terras invadidas e considerar se serão necessários mais reforços para iniciar a operação de pacificação da região. Os policiais devem calcular o total de áreas tomadas, a quantidade de homens que invadem as terras e localizar principais culpados.

Reis afirmou que o Estado vai evitar o conflito direto, mas admitiu que, conforme a situação ocorrer, todas as medidas cabíveis em lei poderão ser tomadas. "As tropas também visam identificar e prender os eventuais líderes dos movimentos ou chefes de quadrilha", disse. Segundo o delegado, entre os crimes cometidos estão posse ilegal de armas, formação de quadrilha e desapropriação de terra.

De acordo com a polícia, índios da tribo Tupinambás fizeram solicitação para demarcação das terras, mas a medida ainda não foi concluída e os índios teriam decidido invadir as terras para pressionar a Justiça.

Reis lembrou que as invasões de terras acontecem há alguns anos, mas nunca foram em tão larga escala. "Os índios invadem as fazendas com grupos armados e fazem reféns, expulsando os fazendeiros, empregados, e, de acordo com algumas denúncias, ocorrem pequenos furtos e morte de gado", disse.

Os fazendeiros teriam começado a procurar o apoio da polícia para diminuir os prejuízos causados pelas invasões. "Vamos trabalhar nas investigações para avaliar se os índios estão recebendo algum apoio logístico, porque eles têm armas que desaparecem muito rápido", afirmou Reis. De acordo com o delegado, grupos armados invadem as fazendas e desaparecem, deixando apenas mulheres, crianças e idosos nas terras tomadas. Segundo ele, foram invadidas cerca de 64 fazendas desde fevereiro, sendo que as primeiras 40 invasões foram realizadas durante o feriado de carnaval.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.